propaganda

sexta-feira, 20 de janeiro de 2006

Soldado Anônimo

O diretor Sam Mendes (Beleza Americana e Estrada para Perdição) está de volta, e dessa vez com um filme sobre guerra, mais precisamente a guerra do Golfo, chamado "Soldado Anônimo". Só que não para simplesmente mostrar o combate direto com os iraquianos, mas sim mostrar o lado psicológico vivido pelos soldados americanos enviados.

Para a grande maioria deles a guerra foi uma frustração. Tiveram treinamentos bastante duros, foram enviados ao local para proteger os campos de petróleo, e tinham que ficar lá arrumando coisa pra fazer, enquanto a guerra propriamente dita não começava. Entre as atividades estavam se hidratar, afinal de contas estavam no meio do deserto, treinar mais um pouco, atividades físicas, e claro, masturbação.

Alias, o filme transborda testosterona. Assim como o filme "Em seu lugar", por exemplo, pode ser classificado como "filme de mulherzinha", esse aqui merece o título de "filme de macho". Depois disso tudo, a guerra quando realmente começou não exigiu muita coisa deles, já que a maioria dos ataques era feito com aviões e bombas "inteligentes" (se é que uma bomba pode ser algo inteligente). Então muitos nem sequer deram um tiro, e voltaram pra casa como heróis.

O filme é baseado no livro de memórias escrito por Anthony Swofford sobre a guerra. Jake Gyllenhaal (O dia depois de amanhã, Donnie Darko e O Segredo de Brokeback Mountain) vive o personagem principal, que é mais conhecido entre seus colegas como Swoff. Todo o treinamento dos "milica" (tradução dada para o termo jarhead, que é o título original do filme) é mostrado, assim como os testes, humilhações, até chegar a guerra propriamente dita.

O filme consegue retratar muito bem esse lado psicológico dos personagens, todos os seus conflitos. Os personagens são bem construídos e desenvolvidos, tudo isso também com a ajuda de um elenco muito bom que ainda conta com Jamie Foxx (Ray), Peter Sarsgaard (Plano de Vôo), e participações de Chris Cooper (Beleza Americana, Adaptação) e Dennis Haysbert (o presidente Palmer do seriado 24 horas).

O roteiro ainda tem várias referências a outros filmes do gênero como "Apocalypse Now" (que é o melhor filme de guerra já feito, e que foi editado por Walter Murch, que também editou "Soldado Anônimo") e "Nascido para matar". A trilha sonora também merece destaque, apesar de conter alguns erros de cronologia (músicas que tocam no filme foram lançadas depois da época em que ele se passa), mas isso pode ser relevado.

O resultado é um filme interessante, e que vale a pena ser conferido, para quem curte o gênero. Agora pena que ele não ficou em cartaz por muito tempo. O jeito agora vai ser esperar sair em video e dvd.

Agora as mulheres podem ir ver o filme, apesar de ser "filme pra macho". O protagonista Jake Gyllenhaal pode ser um bom atrativo para vocês. E ele ainda aparece em várias cenas sem camisa, e até a bunda dele é mostrada. Então não reclamem! E ele mostra que além de bonito, é um grande ator. Suas atuações tem sempre sido motivo de destaque em seus filmes. Inclusive ele vai estar novamente nas telas em "O Segredo de Brokeback Mountain", que foi um dos grande vencedores do Globo de Ouro e grande favorito ao Oscar. O filme vem sendo sucesso de crítica e tem sido chamado de "western gay".

Postar um comentário