propaganda

sexta-feira, 20 de março de 2009

Medo e Delírio em Las Vegas - Uma jornada selvagem pelo coração do Sonho Americano

Título Original: Fear and Loathing in Las Vegas: A Savage Journey to the Heart of the American Dream (EUA, 1971)
Autor: Hunter S. Thompson
Tradução: Daniel Pellizzari
Ilustração: Ralph Steadman
Editora: Conrad
Número de Páginas: 216


O livro “Medo e Delírio em Las Vegas - Uma jornada selvagem pelo coração do Sonho Americano” escrito por Hunter S. Thompson nos anos 70 foi uma experiência jornalística bastante ambiciosa. Publicado pela primeira vez na revista Rolling Stone, depois acabou virando livro que ganhou também as ilustrações do artista inglês Ralph Steadman, grande amigo e parceiro das aventuras de Thompson.

A grande sacada do livro é a maneira como é contada por Thompson ao misturar técnicas do jornalismo com ficção, narração em primeira pessoa, além é claro de uma sensacional viagem alucinógena. Esse estilo acabou sendo batizado de jornalismo gonzo, nome dado por um amigo de Hunter chamado Bill Cardoso.

A história mostra o jornalista Raoul Duke, um dos pseudônimos de Thompson, indo para Las Vegas para cobrir uma corrida de motocicletas. Ele e seu amigo e advogado “samoano” partem para cidade num conversível vermelho e cheios de drogas e bebidas. A viagem acaba virando uma busca pelo “sonho americano”.


O livro mostra justamente as duas faces dos EUA ao retratar os conflitos entre os “caretas” e os “doidões”, além de mostrar também o fim da era hippie e a luta contra o conservadorismo. Tudo isso de maneira bastante irônica e cheia de humor. Um retrato fiel de uma incrível viagem no mundo das drogas.

Em 1998 o livro foi adaptado para os cinemas nas mãos do diretor Terry Gillian com Johnny Depp no papel de Raoul e Benicio Del Toro como o “samoano”. O filme é bastante fiel ao livro e conseguiu adaptar muito bem o clima da história. Devido a seu conteúdo bastante “insano” o filme acabou não fazendo muito sucesso, mas quem não tiver interesse em ler o livro vale a pena uma conferida pelo menos nele. Depp está genial como sempre em mais um papel bastante fora do comum, bem do jeito que ele gosta.

Postar um comentário