propaganda

terça-feira, 3 de julho de 2012

Para Roma Com Amor

Título Original: To Rome With Love (EUA, Itália, Espanha , 2012)
Com: Woody Allen, Alec Baldwin, Jesse Eisenberg, Greta Gerwig, Ellen Page, Alison Pill, Flavio Parenti, Fabio Armiliato, Roberto Benigni, Alessandro Tiberi, Alessandra Mastronardi e Penelope Cruz
Direção e Roteiro: Woody Allen
Duração: 102 minutos


Nota: 4 (ótimo)

Eu já perdi a conta de quantas vezes falei isso aqui no blog, mas Woody Allen é um cineasta bastante peculiar e que sempre entrega bons filmes. Ainda mais considerando que ele consegue a façanha de escrever e dirigir um filme por ano. Isso não é para qualquer um. E ele continua seu “passeio” pela Europa. Depois de visitar Londres (Match Point), Barcelona (Vicky Cristina Barcelona) e Paris (Meia-noite em Paris), agora chegou a vez de Roma.



Em “Para Roma com amor” ele conta 4 histórias diferentes que nunca se cruzam. A única coisa em comum entre elas é que todas se passam em Roma. Isso acaba ganhando o lado positivo de dar uma maior dinâmica ao filme, mas do lado negativo temos a comparação entre as histórias. Todas são boas, mas existe uma diferença de qualidade entre elas.

O elenco mistura atores americanos e italianos. O grande destaque é a volta de Allen para a frente das telas já que ele não atuava em seus filmes desde “Scoop – o grande furo” de 2006. A sua presença garante os melhores momentos do filme e a história que ele faz parte acaba sendo a mais divertida.

A história que eu achei mais fraca foi a protagonizada por Roberto Benigni que fala sobre o culto das celebridades que são famosas por serem famosas. A premissa é interessante, mas o desenvolvimento poderia ter sido melhor. Mas mesmo assim o resultado é positivo e apesar de não ser muito fã de Benigni ele está muito bem no papel.

Allen não mostra os principais cartões postais de Roma assim como fez em “Meia-noite em Paris”. Ele faz uma homenagem as comédias italianas ao usar esse formato com histórias com protagonistas separados. Todas as histórias são bem equilibradas em sua duração sem deixar a sensação de que foram longas ou curtas demais.
O resultado é um filme extremamente divertido e com toda aquela neurose e sarcasmo presentes nos textos do diretor. Pode não ser tão genial quanto seu trabalho anterior, mas mesmo assim não deixa de ser mais um ótimo filme para sua enorme e excelente filmografia.
Postar um comentário