propaganda

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Argo

Título Original: Argo (EUA , 2012)
Com: Ben Affleck, Alan Arkin, John Goodman, Bryan Cranston, Tate Donovan, Taylor Schilling, Nelson Franklin, Kerry Bishé, Kyle Chandler, Rory Cochrane, Christopher Denham, Clea DuVall, Victor Garber, Zeljko Ivanek e Richard Kind
Direção: Ben Affleck
Roteiro: Chris Terrio e Joshuah Bearman
Duração: 120 minutos


Nota: 5 (excelente)

Ben Affleck vem surpreendendo nessa nova fase de sua carreira no cinema em que resolveu assumir a direção de filmes. “Argo” é o seu 3º filme e sem dúvidas é o seu melhor trabalho.



A história em si já é surpreendente por ser baseada em fatos reais e é tão absurda que fica até difícil acreditar que realmente tenha acontecido. A trama se passa em 1979 quando a embaixada dos EUA no Irã é tomada pela população revoltada que exige que os americanos entreguem o xá Reza Pahlevi, deposto pelo aiatolá Khomeine, e fazem os funcionários do local de reféns. Durante a confusão 6 funcionários conseguem escapar e se refugiam na casa do embaixador do Canadá.


Cabe então ao agente secreto Tony Mendez (interpretado pelo próprio Affleck) criar um plano para resgatar esses 6 funcionários antes que eles sejam descobertos. Depois de inúmeras ideais, a menos ruim acaba sendo a escolhida. O plano consistia em inventar um filme fictício para ter um desculpa de estar procurando locações exóticas para a filmagem e com isso conseguir entrar no país com uma maneira de tirar o pessoal de lá.


O filme acaba sendo dividido em 2 partes que soam até meios estranhas em relação ao tom da história. Primeiro a elaboração do plano com Mendez indo até Hollywood para colocar seu filme falso em produção que rende as melhores e mais divertidas cenas num clima bastante bem humorado com piadas em relação ao mundo do cinema. E a outra parte é colocar o plano em prática no Irã. Essa parece mais uma trama de espionagem cheia de suspense, tensão e drama.

E a grande genialidade do filme é justamente conseguir juntar esses 2 tons e fazer tudo funcionar perfeitamente dentro do mesmo filme. Affleck conseguiu acertar a mão e fazer um dos melhores filmes do ano.
Postar um comentário