propaganda

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Caça aos Gângsteres

Título Original: Gangster Squad (EUA , 2013)
Com: Sean Penn, Josh Brolin, Ryan Gosling, Emma Stone, Robert Patrick, Anthony Mackie, Giovanni Ribisi, Holt McCallany e Nick Nolte
Direção: Ruben Fleischer
Roteiro: Willl Beall
Duração: 113 minutos


Nota: 3 (bom)

O diretor Ruben Fleischer estreou muito bem no cinema em “Zumbilândia” numa ótima comédia de zumbis. Agora em seu 3º filme “Caça aos Gângsteres” ele parte para outro famoso gênero que é o policial. Ele conseguiu reunir um incrível elenco que gerou uma expectativa enorme desse seu novo trabalho que infelizmente ele não conseguiu alcançar.



Antes de continuar falando sobre o filme, irei falar sobre a polêmica que ele se envolveu. Sua estreia deveria ter ocorrido em 2012, mas após o atentado ocorrido numa sala de cinema dos EUA onde um atirador saiu disparando tiros na plateia durante a estreia de “Batman – o cavaleiro das trevas ressurge”, o filme foi adiado porque tinha uma cena na qual atiradores entravam num cinema atirando em todo mundo. Essa cena acabou sendo removida do filme.

Voltando ao filme. Na história, inspirada em fatos reais, iremos acompanhar um grupo de policiais que se reúne para acabar com as operações do mafioso Mickey Cohen (Sean Penn) que estava dominando a cidade de Los Angeles. Esse grupo foi comandado pelo Sargento John O'Mara (Josh Brolin). Eles iriam trabalhar por fora numa missão secreta sem apoio da polícia.

O que acaba chamando mais a atenção no filme é a violência estilizada. Fleischer faz questão de mostrar a crueldade de Cohen logo na 1ª cena. Talvez seu objetivo fosse fazer um filme policial mais cru e realista, mas com uma boa premissa e um excelente elenco ele poderia ter conseguido algo muito melhor.

No final das contas ele consegue fazer apenas um filme policial genérico e razoavelmente competente. O elenco acreditou na história e entrega ótimos momentos, mas a motivação dos policiais e todo o drama que envolvia a missão deles é muito pouco explorado. A parte técnica até ajuda em alguns momentos como na recriação de época e figurino, mas não consegue tirá-lo do lugar comum. O que estraga mesmo é o roteiro por abusar dos clichês e usar frases de efeito, mas deixando os personagens totalmente rasos.
O resultado ainda é positivo, mas vale repetir que com um elenco desses e uma premissa interessante o resultado poderia ter sido muito melhor. Pena que o roteiro não ajude. Quem em outro gênero menos sério Fleischer volte a realizar um trabalho mais interessante.
Postar um comentário