propaganda

quarta-feira, 27 de março de 2013

Zona Verde

Título Original: Green Zone (EUA , 2010)
Com: Matt Damon, Khalid Abdalla, Jason Isaacs, Brendan Gleeson, Greg Kinnear e Amy Ryan
Direção: Paul Greengrass
Roteiro: Brian Helgeland baseado no livro de Rajiv Chandrasekaran
Duração: 115 minutos


Nota: 4 (ótimo)

O ator Matt Damon, protagonista da trilogia Bourne, se reúne novamente com o diretor Paul Greengrass, que comandou os 2 últimos filmes, em “Zona Verde”. O tema da vez agora é a guerra do Iraque. Mas não pensem que se trata de um filme de ação, está mais para um filme político com eventuais cenas de ação que lembram mais trabalhos do diretor como “Vôo United 93”. Ou melhor, um filme político camuflado de filme de ação.


A Zona Verde do título é uma área em Bagdá, no Iraque, que foi isolada ao redor do palácio de  Saddam Hussein. É nela que ficam jornalistas, militares e políticos em clima de “otimismo” em negociações sobre o conflito.

Baseado no livro jornalistico de Rajiv Chandrasekaran a trama escrita por Brian Helgeland tem como objetivo fazer uma reflexão e análise sobre a invasão dos EUA ao Iraque em busca de armas nucleares, mas que tudo era apenas desculpa para invadir o país para controlar o petróleo.

Então temos o sargento Roy Miller (Damon) que faz parte de uma equipe especializada em buscar armas de destruição em massa no Iraque. Ele acaba esbarrando em uma pista que pode indicar a farsa sobre o proposito da missão e resolve investigar por contra própria o que realmente está acontecendo. Mas ele vai ter que enfrentar política, conflitos no país e outros problemas.

O filme vai fundo em mostrar esse lado pouco explorado do conflito que envolve interesses políticos e econômicos. O personagem de Damon retrata bem o soldado americano que está lá sem saber os motivos reais. Só que ele resolve tentar descobrir a verdade.

Quem for esperando um filme de ação com certeza vai se decepcionar. Mas quem for sabendo que na verdade se trata de uma história com tema sério e político vai gostar, e ainda levar de “brinde” algumas cenas de ação.
O roteiro utiliza bem os clichês do gênero e com a ajuda de um elenco muito bom o diretor constrói um filme que equilibra bem o tom sério do pano de fundo da narrativa com toques de ação.
Postar um comentário