propaganda

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Black Sabbath

abertura: Megadeth
Dia: 11 de Outubro de 2013
Local: Campo de Marte – São Paulo – SP


Fotos tiradas do portal Terra

Nunca imaginei que fosse ter a chance de ver o Black Sabbath com a formação “original” (infelizmente o baterista Bill Ward ficou de fora), mas isso aconteceu no dia 11 de Outubro em São Paulo. Para completar ainda teve a abertura de outra banda que eu gosto bastante: Megadeth.

Infelizmente o local escolhido foi bem ruim. O acesso foi até bom, dava para chegar de metrô. A volta foi um pouco confusa devido ao excesso de gente e desorganização do metrô, mas consegui voltar nele. Mas o espaço do show era péssimo. A localização do palco não era boa, o som estava baixo, o piso misturava terra, brita e grama, gente demais (70 mil pessoas), mas as apresentações foram tão boas que esses problemas foram minimizados.

Megadeth

Segunda vez que eu veja a banda e novamente um show menor que uma apresentação solo. O repertório foi muito bom, mas foi bem parecido com o show de 2011 no SWU. A principal diferença foi colocar a música “Kingmaker” (muito boa por sinal) do último disco chamado “Super Collider”. O som não ajudou muito, mas apesar de coadjuvantes na noite eles conseguiram agitar um pouco e chamar a atenção do público que foi bastante receptivo. Espero conseguir vê-los algum dia numa apresentação solo.

Setlist

Black Sabbath
Já tive a sorte de ver um show solo de Ozzy Osbourne, mas ele a frente do Black Sabbath é outra história. É histórico vê-lo novamente junto com o guitarrista Tony Iommi e o baixista Geezer Butler. Quando eles sobem ao palco já mandam logo um dos maiores clássicos da banda: “War Pigs”.

O repertório misturou clássicos da banda com músicas do novo cd deles chamado “13” mostrando que eles ainda continuam relevantes e com boas músicas para mostrar. Obviamente que as antigas agitaram a plateia bem mais, mas isso é normal. Inclusive o público foi um caso a parte ao demonstrar muita energia que deixou a banda visivelmente emocionada.
Ozzy continua com seu jeitão característico correndo de um lado pro outro, fazendo polichinelos e se comunicando bastante com o público pedindo para que todos gritassem e fossem a loucura. Iommi é um monstro da guitarra e nem parece que está se tratando de câncer. E Butler comandava a “cozinha” da banda junto com o baterista Tommy Clufetos (que tocava na banda solo de Ozzy).
O show seguiu o script sem surpresas, mas só de ver a banda reunida novamente já foi surpresa o suficiente. Difícil até dizer quais os destaques do show, mas algumas das minhas favoritas foram “Iron Man”, “Black Sabbath”, “Children of the Grave” e o final da apresentação com chave de ouro com “Paranoid”.

Setlist
Postar um comentário