propaganda

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Como Não Perder Essa Mulher

Título Original: Don Jon (EUA , 2013)
Com: Joseph Gordon-Levitt, Scarlett Johansson, Julianne Moore, Tony Danza, Glenne Headly, Brie Larson, Rob Brown, Jeremy Luke e Italia Ricci
Direção e Roteiro: Joseph Gordon-Levitt
Duração: 90 minutos


Nota: 4 (ótimo)

O ator Joseph Gordon-Levitt resolveu escrever e dirigir um filme, além de estrelar, e o resultado é “Como Não Perder Essa Mulher”, título absurdo em português que nada tem a ver com o filme. Vamos ficar com o título original Don Jon, é melhor. Afinal de contas o personagem Jon (Gordon-Levitt) é uma espécie de Don Juan moderno.

Temos aqui uma comédia romântica nada convencional que foge do lugar comum do gênero. Jon é um cara simples com as seguintes prioridades: seu corpo, sua casa, sua família e seu carro. Além disso, todos os dias ele vai pra boate e sempre volta para casa com alguma mulher diferente para uma noite de sexo sem compromisso. Mas isso não consegue satisfazê-lo. A única maneira dele conseguir ter prazer de verdade é através de pornografia na internet. E tem todo um ritual para achar o vídeo certo.

Mas tudo muda quando ele conhece Barbara (Scarlett Johansson). Ela não cede facilmente aos encantos do Don Juan, então ele acaba insistindo e meio que se apaixonando. Mas ela vai querer mudar a vida dele querendo acabar com sua simplicidade, que ele volte a estudar para conseguir um emprego melhor e coisas do tipo. O principal problema é que ela não aceita a pornografia, então quando descobre o relacionamento entra num problema.

O tema do vício em pornografia e sexo é complexo e delicado e já foi tratado de maneira mais séria em filmes como “Shame”, mas aqui Gordon-Levitt consegue abordar melhor o assunto equilibrando o tom sério e comédia de maneira bem interessante. Em sua estreia na direção ele mostra muito talento e inova usando uma edição de imagens mais moderna e criativa misturando com o estilo convencional.

Completando as qualidades do filme temos o elenco. A química entre Gordon-Levitt e Johansson é muito boa. A beleza da atriz é muito bem explorada afinal de contas se o personagem principal sempre tinha uma mulher diferente cada dia sempre baseado na escolha da beleza tinha que ter uma bem bonita para conseguir fazer o rapaz se concentrar em uma só (risos). Os dois entregam ótimas atuações. Mas o restante do elenco também merece destaque, principalmente os pais de Jon (Tony Danza e Glenne Headly) e Julianne Moore que quando sua personagem aparece acaba dando um rumo bem interessante e não óbvio ao filme.
A única coisa que eu não gostei do filme é o fato de não concordar com a opinião dos personagens, principalmente em relação ao vício em pornografia. O problema é sempre o excesso. Acho que é possível existir uma “harmonia” entre as várias possibilidades do sexo, seja ela a dois (ou mais a depender do gosto de cada um) ou seja ela sozinho. E o desfecho do filme meio que condena a pornografia da internet, mas enfim, é só uma questão de opinião que me incomodou um pouco. No mais é um ótimo filme e extremamente divertido marcando uma boa estreia na direção e roteiro do até então apenas ator Joseph Gordon-Levitt.
Postar um comentário