propaganda

terça-feira, 24 de junho de 2014

Vizinhos

Título Original: Neighbors (EUA , 2014)
Com: Seth Rogen, Rose Byrne, Zac Efron, Dave Franco, Ike Barinholtz, Halston Sage, Jerrod Carmichael, Christopher Mintz-Plasse, Carla Gallo e Craig Roberts
Direção: Nicholas Stoller
Roteiro: Andrew J. Cohen e Brendan O'Brien
Duração: 97 minutos

Nota: 3 (bom)

Ser estrelado por Seth Rogen já é o suficiente para mim em ficar interessado em assistir “Vizinhos”, nova comédia do diretor Nicholas Stoller que fez “Ressaca de Amor”. Aqui o tema principal é a briga entre vizinhos, tema que já rendeu diversas comédias. Mas não faltam referências pop, participações especiais e outros temas para garantir boas risadas.


Iremos conhecer o casal Mac (Rogen) e Kelly (Rose Byrne de "Missão Madrinha de Casamento") que são pais de uma garotinha recem-nascida. Ainda estão tentando se acostumar com essa nova de vida de pais em que não podem mais sair para “curtir a vida”. A chegada de novos vizinho que são de uma fraternidade de uma universidade irá mudar a vida deles. Primeiro eles tentam ser simpáticos com os presidentes da “instituição”, vividos por Zac Efron (17 outra vez) e Dave Franco ("Truque de Mestre", também conhecido como irmão de James Franco), mas depois os jovens abusam do barulho e eles decidem chamar a polícia começando assim o clima de “guerra”.

Bom, as desculpas que o roteiro usa para o casal não conseguir resolver a situação de maneira legal são um pouco forçadas, mas considerando que estamos em uma comédia besteirol isso pouco importa. O importante mesmo são as situações para garantir a diversão e as risadas. E nisso aí o filme se comporta muito bem. O que não faltam são piadas politicamente incorretas.

O elenco é muito bom. Rogen apesar de quase sempre interpretar o mesmo papel sempre está muito bem. A química dele com Rose Byrne é muito boa como um casal garantindo ótimos momentos. Agora quem realmente surpreende mais uma vez é Zac Efron que tem bastante carisma. Uma pena é ver Christopher Mintz-Plasse (o McLovin de Superbad) ser totalmente desperdiçado.
O problema é que em alguns momentos o filme toca em assuntos mais sérios e até interessantes como o confronto entre Efron e Franco sobre o futuro pós universidade ou entre Rogen e Byrne sobre não conseguir mais sair para se divertir após o nascimento da filha, mas prefere deixá-los de lado ou simplesmente dar um desfecho moralista para a história. Não chega a ser um problema grave, mas acaba atrapalhando um pouco o resultado final. Ainda assim garante ótimas piadas e bastante diversão para quem curte comédias besteirol com conteúdo mais “adulto”.
Postar um comentário