propaganda

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

O Duplo

Título Original: The Double (Reino Unido, 2013)
Com: Jesse Eisenberg, Mia Wasikowska, Wallace Shawn, Noah Taylor, Yasmin Paige e James Fox
Direção: Richard Ayoade
Roteiro: Richard Ayoade e Avi Korine
Duração: 93 minutos

Nota: 3 (bom)

É interessante ver Richard Ayoade, que eu conheço do seriado “The IT Crowd”, ter resolvido virar diretor. O programa de tv citado é uma comédia e ele interpretava o personagem o mais engraçado. Então é curioso vê-lo agora dirigindo “O Duplo”, um filme bastante sério. É bom ver sua versatilidade.


O filme é inspirado no livro Dostoyevsky de mesmo nome. A trama se passa num futuro alternativo meio retrofuturista. Iremos conhecer Simon James (Jesse Eisenberg), um cara tão comum que apesar de trabalhar numa empresa a 7 anos não é reconhecido pelo porteiro do prédio. Ou seja, aquele cara que parece invísivel para os outros. E ele ainda é bastante tímido, aí a coisa complica ainda mais. Ele está interessado e sempre observa Hannah (Mia Wasikowska), que também trabalha na empresa, mas não tem coragem de chamá-la para sair.

A coisa muda de figura quando chega um novo funcionário na empresa chamado James Simon, também interpretado por Jesse Eisenberg. Ele é fisicamente igual a Simon James, só que seu comportamento é totalmente oposto. Isso faz com que todos notem a presença do novo funcionário ao mesmo tempo que ninguém percebe que eles são iguais.

Aos poucos James Simon começa a “roubar” a vida de Simon James que não fica nada satisfeito com a situação. A “piada” do filme é justamente questionar o nosso papel na sociedade como indivíduos, nossa individualidade coisa e tal. Será que basta apenas mudar o nosso comportamento que o resto da sociedade vai começar a notar a nossa presença?

O visual do filme é muito bom e consegue construir bem o cenário para ilustrar a história. O elenco também é bom com destaque para Eisenberg que consegue muito bem mostrar a diferença entre os personagens. A postura dos personagens os diferencia muito bem.
O problema é que o filme tenta ser mais inteligente do que ele consegue ser. Então com apenas 93 minutos não consegue desenvolver a história o suficiente para concluir a trama de maneira totalmente satisfatória. Muita coisa fica sem explicação clara ou com respostas dentro do próprio filme. Uma pena já que as ideias são muito boas e o desenvolver delas cria um clima bastante animador. Ainda assim o resultado é positivo, mesmo que o final deixe um pouco a desejar.
Postar um comentário