propaganda

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Megadeth

O Megadeth já esteve no Brasil diversas vezes, sendo essa inclusive a 3ª vez que eu vejo a banda ao vivo. Mas é a primeira vez que eu vejo um show deles como atração principal, já que as outras duas vezes foram no festival SWU e abrindo para o Black Sabbath. Liderada por Dave Mustaine, eles estão em turnê divulgando o seu novo disco, chamado Dystopia, que teve uma boa repercussão. Seus últimos trabalhos não empolgaram muito, mas esse novo realmente é bem interessante. A principal novidade é a presença do guitarrista brasileiro Kiko Loureiro, ex-Angra, que entrou na banda antes da gravação desse novo disco.

A banda se apresentou no Net Live Brasília para um bom público. Antes de a atração principal subir ao palco, o Angra serviu de abertura e aquecimento, mas eu cheguei apenas ao final da apresentação deles. O Megadeth estava previsto para começar às 22 horas, mas só depois de um atraso de cerca de 30 minutos foram ouvidos os acordes iniciais de “Prince of Darkness”, que serviu como trilha enquanto a banda entrava no palco. Começando o show propriamente dito, logo de cara eles já mandam um clássico: “Hangar 18”. Foi suficiente para empolgar bastante o público e este que vos escreve. Em pouco mais de 1 hora e meia de show, a banda mostrou um ótimo repertório passando por alguns dos momentos mais importantes dos seus 30 anos de carreira.

A cenografia do palco é interessante, com um telão acima da banda que sempre mostrava imagens relacionadas à música que estava sendo executada enquanto uma estrutura que lembrava containers ficava no fundo com a bateria montada em cima dela, sendo que de cada lado tinha um telão menor. Apesar de interessante, a cenografia não era o grande atrativo do show.
O Megadeth é formado por Dave Mustaine (guitarra e vocal), David Ellefson (baixo), Kiko Loureiro (guitarra solo) e o belga Dirk Verbeuren (bateria, ex-Soilwork). E a performance deles em cima do palco impressionou pela qualidade musical incrível e pelo carisma e interação entre os músicos. Mustaine estava bem humorado e interagiu bastante com o público, mas quem roubou mesmo a cena foi Kiko: logo na primeira música, vocalista e baixista ficam mais atrás no palco enquanto o guitarrista brilha com seus solos. E o fato dele ser brasileiro faz com que a plateia vibre ainda mais, com direito a gritos do seu nome (inclusive num momento curioso e meio miqueiro, ao fazer referência do Quico do Chaves).

O álbum Dystopia esteve presente com 6 músicas do repertório, um ótimo número já que muitas bandas não costumam dar tanto destaque a seu disco mais recente, o que mostra que o Megadeth está mesmo empolgado com ele. Entre os destaques eu citaria "The Threat Is Real" e "Fatal Illusion". A resposta do público as músicas novas foi boa, mas é claro que ele se empolga mais com os clássicos, dos quais eu destaco "She-Wolf", "Trust", "Peace Sells" (com direito a gritos de Megadeth durante o riff da música) e "Holy Wars... The Punishment Due", que fechou o show com chave de ouro já que essa talvez seja a melhor música da banda.

A banda mostrou que ao vivo tem uma ótima energia com uma performance musical impressionante, graças à ótima qualidade dos músicos e que ainda é relevante com um novo disco que ao vivo soa ainda melhor. Espero ver mais shows do Megadeth num futuro próximo.

Dia: 12 de Agosto de 2016
Local: Net Live Brasília - Brasília  – DF
Fotos tiradas por mim, mais no link

Setlist:

Postar um comentário