propaganda

quinta-feira, 15 de março de 2018

Tomb Raider: A Origem

Tomb Raider: A Origem” é um novo começo no cinema da franquia do mundo dos videogames estrelada pela personagem Lara Croft. O jogo também passou por um reboot em 2013 e o longa dirigido por Roar Uthaug se inspira nessa nova versão, cuja história mostra como Lara se transforma em uma aventureira caçadora de tesouros.

A escolhida para viver a protagonista foi a atriz Alicia Vikander, que tem experiência tanto em filmes dramáticos como "A Garota Dinamarquesa", como em longas de ação a exemplo de "Jason Bourne" e "O Agente da U.N.C.L.E.". Esse equilíbrio entre drama e aventura foi importante para dar vida a nova versão de Lara Croft, que apresenta um lado mais humano e verossímil. Prova disso é que a personagem sofre, grita e geme a cada machucado ou esforço físico - elementos narrativos que ajudam o espectador a criar mais empatia com a personagem e a se importar mais com o seu destino.

É interessante observar como em uma cena a moça mata o seu primeiro inimigo e, em seguida, demonstra certo arrependimento e remorso. Tempos depois, ela já fica mais à vontade, correndo e enfrentando os adversários sem temer pelas consequências de eliminá-los. Trata-se de uma evolução natural na jornada da heroína.

A história mostra ainda como a relação entre Lara e seu pai Lord Richard Croft (Dominic West) é importante para a moça, mas ela tenta seguir sua vida longe da sombra dele. O senhor Croft está sumido há 7 anos, entretanto, surge uma nova pista sobre o seu paradeiro. É claro que a filha vai atrás e vai parar em uma ilha misteriosa do Japão, onde encontra homens perigosos em busca de pistas de uma antiga lenda japonesa.
O vilão Mathias Vogel, interpretado por Walton Goggins (Os Oito Odiados), surge como um adversário interessante: um homem que está ali seguindo ordens, mas tudo que quer é voltar para casa. Entretanto, logo ele se apresenta como uma figura ameaçadora e perigosa. O ator é muito bom e o personagem é promissor, pena que o filme não dá muito espaço para que o antagonista seja melhor desenvolvido.

A relação entre pai e filha é outro ponto interessante de “Tomb Raider: A Origem”. Fica clara a influência que Richard tem e a falta que ele faz para a vida de Lara. Alguns flashbacks mostram como ele foi um pai ausente, sempre se dedicando mais ao trabalho, e quando estava presente era uma figura carinhosa e marcante. Essa ligação é fundamental para o desenvolvimento da moça na sua jornada de transformação em aventureira.

Entretanto, por mais que a obra-cinematográfica nos apresente personagens interessantes, ela não foge muito dos clichês de filmes de caçadores de tesouros. O longa poderia ser apenas um trabalho genérico de aventura, mas o diretor explora bem o elenco e seu potencial fazendo com que o longa tenha um resultado competente.

No início, a história foca mais em apresentar os personagens, explorando o lado mais dramático da narrativa. A partir do segundo ato, o filme mostra o que realmente pretende ser. No terceiro e último ato, “Tomb Raider: A Origem” se entrega totalmente à sua inspiração de videogame. Nesse ponto, o longa explora elementos do jogo como a solução de puzzles (quebra-cabeças), tiros e correria. O mais divertido é quando ele explora o arpão, ferramenta que é bastante utilizada por Lara no game.

Na parte técnica, o filme também não decepciona. As cenas de aventura são bem realizadas com efeitos visuais satisfatórios. A trilha sonora é boa e funciona em acentuar os momentos de emoção e aventura. A fotografia explora bem as paisagens, mas em alguns momentos ela é muito escura, o que deve prejudicar a experiência em 3D.

Tomb Raider: A Origem” é um bom recomeço para Lara Croft no cinema. A versão de Alicia Vikander é mais interessante por não explorar o sexismo da protagonista, apresentando uma mulher mais humana, que é ao mesmo tempo forte e determinada, que nem por isso deixa de mostrar um lado “frágil”. O diretor Roar Uthaug acertou no tom ao misturar de forma competente o lado da ação e aventura sem deixar de mostrar o lado dramático de seus personagens. Isso tudo, é claro, sendo fiel à influência do mundo dos games.

Classificação:


Título Original: Tomb Raider (EUA, 2018)
Com: Alicia Vikander, Dominic West, Walton Goggins, Daniel Wu, Kristin Scott Thomas e Nick Frost
Direção: Roar Uthaug
Roteiro: Geneva Robertson-Dworet e Alastair Siddons
Duração: 118 minutos
Postar um comentário