propaganda

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Nós (Us)

Nós”, novo trabalho do diretor Jordan Peele, é um filme fascinante. Em sua camada superficial ele é um excelente longa de terror e funciona muito bem com a exploração do horror através da estranheza da situação, gerando um desconforto no espectador. Temos basicamente a história de uma família negra que é atacada por um grupo de estranhos, que na verdade são cópias deles.

No entanto, como obra de arte e com os significados através de simbolismos presentes na tela é que “Nós” ganha um conceito ainda maior. O que Jordan Peele quer dizer com o seu filme? Desafiar o espectador a ir além da superfície é o trabalho de qualquer artista e o cineasta faz isso com maestria.

A alegoria por trás da narrativa faz com que o filme se torne um obra única, um verdadeiro trabalho de um artista em busca da exploração da sua arte. “Nós” em inglês é Us e essa palavra pode ser interpretada como U.S. - sigla de United States (Estados Unidos) - e essa é uma das leituras do longa: uma crítica sobre a sociedade americana, do ponto de vista de uma família negra.

Poderíamos analisar diversos pontos presentes na narrativa como a cor vermelha da roupa da família “duplicada” - uma cor forte que simboliza o perigo - que utiliza tesouras para atacar, objeto que retrata a dualidade com duas formas iguais que se completam. Mas é possível fazer interpretações relativas a luta de classes, na relação da família negra e os amigos brancos, ou até mesmo a meritocracia.

Nós” também faz referências visuais pop ao mostrar uma camisa de Michael Jackson, ou uma citação a um verso da Bíblia, ou seja, Peele está interessado em apresentar diversas camadas para sua história, todas elas cheias de significados e interpretações.

O roteiro, escrito pelo próprio Peele, constrói muito bem sua narrativa e aos poucos cria a tensão em torno dos personagens. A chave é a protagonista interpretada por Lupita Nyong'o e a história começa mostrando uma cena de sua infância em um evento que é crucial para o filme. A montagem volta a esse ponto através de flashbacks em alguns momentos acrescentando novas informações, desvendando o mistério sobre o ocorrido, tudo em um ritmo sem pressa.
A tensão chega ao clímax quando a família é atacada por suas cópias. Como lidar com uma ameaça que é você mesmo? E o medo de ser substituído? Nesse ponto a tensão e o suspense já foram desenvolvidos de maneira brilhante e a cena da “invasão” na casa é fantástica, tanto tecnicamente quanto graças ao trabalho do elenco.

Os atores fazem um trabalho incrível! Winston Duke, com o pai da família, é responsável pelo alívio cômico da narrativa, que funciona como uma forma do personagem lidar com a situação desconfortante, como se ele não estivesse acreditando no que está acontecendo. Os jovens Shahadi Wright Joseph e Evan Alex também supreendem com uma atuação muito segura. Mas o filme é de Lupita e ela impressiona com um trabalho físico e vocal excepcional.

Nós” é o tipo de filme que após terminar de assistir você vai se questionar sobre o que acabou de ver. O que o diretor quis dizer com isso? É essa a reflexão que Jordan Peele faz com sua obra. Mas mesmo na superfície o longa já funciona muito bem, então as “camadas extras” servem para tornar a experiência ainda mais gratificante, deixando a vontade de ver novamente e tentar encontrar novos elementos e interpretações dentro da narrativa.

Classificação:

Título Original: Us (EUA, 2019)
Com: Lupita Nyong'o, Winston Duke, Elisabeth Moss, Tim Heidecker, Shahadi Wright Joseph e Evan Alex
Direção: Jordan Peele
Roteiro: Jordan Peele
Duração: 116 minutos

Nenhum comentário: