propaganda

quarta-feira, 18 de janeiro de 2006

Flores Partidas

O filme "Flores Partidas" deveria ter chegado por aqui no final do ano passado, mas somente agora ele estréia por aqui. Ele foi exibido no Festival de Cannes em Maio do ano passado e foi um dos mais elogiados pela crítica. O seu diretor Jim Jarmush escreveu o roteiro especialmente para Bill Murray, do qual ele é fã.

Na história, Bill vive Don Johnston, uma espécie de Don Juan em fim de carreira. Ele é abandonado por sua atual namorada (interpretada por Julie Delpy, de "Antes do pôr-do-sol") e logo em seguida recebe uma carta misteriosa. Sem remetente, a carta é de uma suposta antiga namorada de Don que diz ter tido um filho dele, mas que resolveu criá-lo sozinho. Só que agora o rapaz, com 19 anos, está indo atrás do pai. Winston (Jeffrey Wright), seu vizinho metido a detetive, resolve ajudar a tentar resolver o mistério e faz um plano para que Don vá atrás de algumas das suas ex-amantes para tentar descobrir quem é a mãe do seu suposto filho.

Então o filme vire um "road movie", com Don viajando pelo país atrás das mulheres. Cada encontro promete surpresas, ao se deparar com os mais extravagantes tipos vividos por Sharon Stone, Fances Conroy, Jessica Lange e Tilda Swinton. Esses encontros são as melhores partes do filme. Impossível conter o riso com as situações pelas quais Don passa, principalmente as partes de silêncio constrangedor. Afinal de contas o filme é uma comédia, claro que não de uma maneira muito comum. O estilo do diretor Jarmush é bem minimalista e bastante pessoal. Em suas próprias palavras em entrevista em Cannes: "Não tive pressões para tornar a narrativa deste filme mais fácil e compreensível. Ele é inteiramente do modo como queria fazê-lo".

Apesar do humor, o filme não deixe de ser uma visão melancólica sobre o envelhecimento, solidão, e é claro, sobre as complicações do relacionamentos amoros entre homens e mulheres. E ele não se propõe em dar muitas respostas e explicações, e sim parar um pouco para refletir sobre o personagem, cada vez mais se dando conta de que o tempo passou e ele ficou sozinho.

Bill Murray dá um show de interpretação no filme, e mostra seu valor como um grande ator, que só foi reconhecido pela crítica recentemente, após a indicação ao Oscar pelo filme "Encontros e Desencontros". Mas seja em suas comédias antigas como "Caça-Fantasmas", ou em seus filmes mais recentes, ele continua o mesmo. Talvez um pouco mais velho, é claro, mas com certeza ainda bom ator, ou melhor, um ator ainda melhor.
Postar um comentário