propaganda

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

A dama na água

Título Original: Lady in the Water (EUA , 2006)
Com: Paul Giamatti, Bryce Dallas Howard, Bob Balaban, Jeffrey Wright, Sarita Choudhury e Cindy Cheung
Direção e Roteiro: M. Night Shyamalan
Duração: 109 minutos


A dama na água” é com certeza o filme mais pessoal do diretor M. Night Shyamalan. Baseado numa história de ninar de sua autoria, sua realização teve um início bastante conturbado. Depois de apresentar o roteiro aos executivos do estúdio que produziu seus filmes desde “Sexto Sentido”, eles fizeram duras críticas, reclamaram que a história é muito confusa e exigiram mudanças. Depois de muita briga, acabaram não chegando num acordo e Shyamalan foi atrás de outro estúdio para financiar o filme.

Esse fato acabou virando o livro “The man who heard voices – or, how M. Night Shyamalan risked his career on a fairy tale” (O homem que ouvia vozes – ou, como M. Night Shyamalan arriscou sua carreira em um conto de fadas). Para Shyamalan, mesmo que o filme desse totalmente errado, ainda teria acertado em 80% da vezes. E no final das contas o filme acabou mesmo dando errado e foi um fracasso de público e crítica.

Na história Cleveland (Paul Giamatti) é um zelador de um prédio que acaba encontrando uma jovem misteriosa. Ela se chama Story (Bryce Dallas Howard) e é uma “narf”, uma espécia de ninfa de conto de fadas. Ele vai precisar ajudá-la a voltar para seu mundo pois seres malignos estão a impedindo. E também vai precisar convencer algum dos moradores a ajudá-lo.

O filme é na verdade uma história de ninar, só que mais voltada para os adultos. O estilo de direção de Shyamalan está presente, seja na construção da trama, na criação do suspense ou em só mostrar o necessário a platéia. Agora dessa vez sem nenhuma surpresa ou final surpreendente. E ele também participa como ator, sendo um dos personagens principais da história.

Entrar na “onda” do filme faz parte da “diversão” dele. Isto é, se você não conseguir entrar no clima e ser conquistado pela história, provavelmente vai achar ruim. Acaba sendo mesmo uma questão de gosto pessoal. Eu entendo aqueles que não gostaram, faz parte. Confesso que sou fã do diretor, então eu fui conquistado facilmente. E digo mais, chorei e as porra. Pois é, acreditem. Agora se o filme é bom ou não, só você assistindo pra saber.
Postar um comentário