propaganda

quinta-feira, 16 de novembro de 2006

Os Infiltrados

Título Original: The Departed (2006)
Elenco: Alec Baldwin, Jack Nicholson, Leonardo DiCaprio, Mark Wahlberg, Martin Sheen, Vera Farmiga e Matt Damon
Diretor: Martin Scorsese
Duração: 152 minutos


Martin Scorsese parece ter encontrado o seu novo Robert De Niro. O ator e o diretor fizeram muitos trabalhos juntos como “Taxi Driver”, “Touro Indomável” e “Cassino”. O seu novo parceiro nas produções é Leonardo DiCaprio. Juntos eles fizeram “Gangues de Nova York”, “O Aviador” e agora “Os Infiltrados”. Esse com certeza é o melhor trabalho dessa parceria.

Scorsese é sem dúvida um dos melhores diretores americanos. Da mesma geração vieram outros grandes nomes como Francis Ford Coppola, Brian de Palma e Steven Spielberg. Ainda o falta o reconhecimento da academia, visto que esteve bem próximo de receber seu primeiro Oscar com “O Aviador”, mas acabou perdendo para Clint Eastwood e seu “Menina de Ouro”. Uma coisa que ele conseguiu recentemente foi a conquista do grande público. Isso apenas em seu 20º filme. “O Aviador” foi o primeiro a ter mais de 100 milhões de doláres de bilheteria lá nos EUA e “Os Infiltrados” conseguiu também passar dessa marca.

O filme se trata de uma refilmagem do filme chinês “Conflitos Internos”, que teve duas continuações. Apesar disso, Scorsese e o roteirista William Monahan trabalharam na adaptação do roteiro traduzido, sem assistir ao longa. Talvez uma sábia decisão para se influenciar somente na história e não nas imagens. Essa não foi a primeira vez que ele faz uma refilmagem, “Cabo do Medo” (também com De Niro) foi baseado em outro filme americano.

A história fala sobre a “guerra” entre a polícia de Boston e a máfia irlandesa do lugar. O chefão dessa máfia é Frank Costello, interpretado de maneira magistral por Jack Nicholson. Incrível com ele nunca tinha trabalhado junto com Scorsese. Com certeza ele é a grande atração do filme. Então temos os dois personagens “infiltrados” do título em português. Um é Sullivan (Matt Damon) e o outro é Billy Costigan (Leonardo DiCaprio). Eles tem em comum o fato de estarem entrando para a polícia. O primeiro tem a ficha limpa, bancado desde a infância por Costello com um currículo perfeito para se tornar informante e ajudá-lo em seus esquemas. Enquanto isso Billy tem um histórico familiar ligado a máfia e justamente entrando para a polícia que ele pretendia abandonar isso. Mas justamente graças a isso acaba se tornando perfeito para se infiltrar na gangue de Costello e ser informante para a polícia.

Se Nicholson da um show de atuação, o resto do elenco não o deixa para trás. O trabalho de Scorsese com os atores é excelente. DiCaprio está muito bem, emocional como o papel pede, sem o peso de ser o grande protagonista da trama divido muito bem com Nicholson e Damon. Já Damon tem uma atuação mais cínica e dissimulada. Junto a eles, temos o elenco de apoio que conta com gente como Alec Baldwin (chefe de Sullivan), Martin Sheen e Mark Walhberg como chefes dos infiltrados e únicos que sabem e mantêm contato com Billy, e também Vera Farmiga como uma psicóloga da polícia que se envolve tanto com Billy quanto Sullivan.

A máfia, crime organizado e outros temas urbanos sempre fizeram parte dos filmes de Scorsese. Esse com certeza é o seu meio ambiente. Essa tragédia urbana sempre marcou sua filmografia. O título original “The Departed” significa algo como “aqueles que se foram”, uma metáfora sobre a vida dupla dos personagens e também sobre o destino de alguns deles. Nisso temos também outro fator marcante, a violência. Não de maneira explícita, mas de forma de tentar entender o quanto isso influência no comportamento dos personagens, e quem sabe assim também compreendê-la na própria sociedade.

Um filme policial, não de ação. Com certeza um dos grandes filmes desse ano, sério candidato ao Oscar do ano que vem. Também candidato a entrar na lista de melhores do ano aqui do blog.
Postar um comentário