propaganda

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

As Duas Faces da Lei

Título Original: Righteous Kill (2008)
Com: Robert De Niro, Al Pacino, 50 Cent, Carla Gugino, John Leguizamo, Donnie Wahlberg e Brian Dennehy
Direção: Jon Avnet
Roteiro: Russell Gewirtz
Duração: 101 minutos


Nota: 1 (ruim)

Sabe quando um filme idiota acha que é inteligente e trata o público como se fosse idiota? Esse é o caso de “As Duas Faces da Lei”. Ele seria apenas um filme policial qualquer se não fosse a dupla de protagonistas formada pelos atores Robert De Niro e Al Pacino. Só em ter os dois juntos é motivo suficiente para a vontade de assistir. Mesmo depois de ler críticas negativas resolvi encarar para confirmar se era realmente muito ruim; fato comprovado após o final da sessão.

Pacino e De Niro já estiveram no mesmo filme antes em 2 ocasiões: no Poderoso Chefão 2, onde não aparecem juntos, e em “Fogo contra fogo”, onde aparecem pouco tempo juntos em cena. Essa então seria a grande chance de vê-los atuando juntos de verdade. Infelizmente a carreira dos 2 não anda muito bem e ambos tem feito filmes bem fracos, salvas raras exceções. Com a direção fraca de Jon Avnet os dois atuam de maneira bastante preguiçosa e automática, parecendo estrelas decadentes e isso não deixa de ser um pouco de realidade.

Logo na seqüência de abertura do filme já da para perceber que iremos acompanhar um filme ruim. O diretor parece estar deslumbrado com a presença dos astros mostrando-os numa galeria de tiros em vários ângulos e closes.

A história é totalmente clichê e parece ter sido feita sem preocupação nenhuma em esconder esse fato, além é claro de enaltecer a presença das estrelas. Temos 2 policiais com bastante experiência investigando uma misteriosa série de assassinatos onde são encontrados poemas que fazem alusão aos fatos.

Temos então o principal problema do filme. Logo no início da trama vemos um vídeo do personagem de De Niro confessando os crimes. E aí, será que a coisa é tão óbvia? Vamos então para a investigação para saber realmente se ele é o culpado ou não? A trama vai induzindo o espectador a realmente acreditar nisso. Mas a resolução do “mistério” é tão cretina e ridícula que volto a afirmação do primeiro parágrafo. O filme se acha inteligente quando na verdade é totalmente idiota. Isso sem falar nos furos e outros muitos problemas no desenvolver da trama.

O resultado é totalmente ridículo! Um filme policial de péssima qualidade no qual nem mesmo a presença de 2 grandes atores consegue salvar da mediocridade. É deprimente vê-los fazendo algo assim de tão má qualidade. Acho que já passou da hora deles se aposentarem. Melhor sorte na escolha dos próximos projetos e quem sabe na próxima parceria juntos eles acertam e conseguem fazer algo digno de suas respectivas carreiras.
Postar um comentário