propaganda

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Um Homem Bom

Título Original: Good (2008)
Com: Viggo Mortensen, Jason Issacs, Jodie Whittaker e Mark Strong
Roteiro: John Wrathall
Direção: Vicente Amorim
Duração: 98 minutos


Nota: 3 (bom)

O diretor brasileiro Vicente Amorim (“Caminho das Nuvens”) faz sua estréia internacional no longa “Um Homem Bom”, uma internacional entre Inglaterra e Alemanha que tem o ator Viggo Mortensen (trilogia Senhor dos Anéis) como protagonista.

A história é baseada na peça escocês Cecil Philip Taylor (1929-1981) e se passa na época da ascensão do nazismo. O drama acompanha o professor Jon Halder (Mortensen) que aos poucos vai sucumbindo ao sistema nazista. O que chamou a atenção para ele foi um romance que ele escreveu que defende a eutanásia. Ele então é convidado pelos nazistas para escrever textos para eles. Era importante ter intelectuais no grupo.

É interessante ver a mudança do personagem. Aos poucos ele vai entrando no sistema nazista, sua vida melhora financeiramente coisa e tal. Mas isso não quer dizer que ele aceite a parte ruim da coisa e vai passar por muitos conflitos, principalmente por seu melhor amigo, o psiquiatra Maurice (Jason Isaacs) que é judeu.

O filme acerta em utilizar uma abordagem mais humana sobre o nazismo ao mostrar como as pessoas comuns foram levadas a acreditar no sistema nazista e na figura de Hitler eram a melhor opção para melhorar suas vidas.

Mortensen mostra mais uma vez uma excelente atuação, demonstrando cada vez mais sua versatilidade, provando ser um ótimo ator. Ele até mereceria uma indicação ao Oscar, mas após sua primeira indicação com “Senhores do crime” deve ser complicado ele ter uma nova indicação.

O diretor Vicente Amorim também começa com o pé direito em sua estréia internacional levando o talento do cinema nacional para o mundo. Confesso que esse é o primeiro filme dele que eu assisto. Ele se sai muito bem ao conseguir mostrar um tema bastante batido e polêmico no cinema sob uma nova perspectiva bastante corajosa, sem grandes inovações, mas com muita elegância.
Postar um comentário