propaganda

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2005

O Justiceiro

E eu que achava que “Mulher-Gato” tinha sido uma das piores adaptações de quadrinhos para o cinema ou quer “Elektra” tinha sido o pior filme feito pela Marvel recentemente. Estava totalmente enganado. Eu não contava com o “sensacional” filme “O Justiceiro” que infelizmente não foi lançado nos cinemas, mas que finalmente chega agora nas locadoras.

Essa não é a primeira versão do Justiceiro para o cinema. Quem tiver uma boa memória deve lembrar da outra sensacional versão estrelada por Dolph Lundgren. Eu me pergunto se essa nova versão conseguiu ser melhor do que a antiga. Como tem muito tempo que eu vi essa versão antiga fica difícil afirmar alguma coisa.

O filme é dirigido por um individuo chamado Jonathan Hensleigh, essa foi sua estréia na direção. Antes ele era apenas roteirista e seu currículo incluí filmes como “Duro de Matar: a vingança” e “Armageddon”. Para completar além de dirigir, ele também escreveu o roteiro desse filme. Então já era de se esperar que não visse boa coisa.

Na “história” do filme, Frank Castle (Thomas Jane) é um policial que trabalha disfarçado. O seu último trabalho acaba resultando na morte do filho de Howard Saint (John Travolta), um grande bandido local. Para vingar a morte do seu filho, Howard manda seus capangas matar toda a família de Castle, incluindo ele. “Milagrosamente” ele consegue sobreviver e claro, vai atrás de vingança. Ou melhor, vingança não, punição.

É até complicado ficar aqui enumerando todos os problemas, pois eles são muitos. Claro que tudo começa com as mudanças na adaptação dos quadrinhos. No filme o Justiceiro é até um cara “bem humorado” que é capaz de fazer piadinhas do mesmo nível do Homem-Aranha e consegue atrair a simpatia das pessoas. Isso sem contar nas cenas de “ação” e de “luta” que são totalmente ridículas, nível filme dos Trapalhões.

Enfim, o resultado é totalmente desastroso. Nada se salva desse filme, nem mesmo as presenças femininas das maravilhosas Laura Elena Harring (de “Cidade dos Sonhos”) e Rebecca Romjin-Stamos (a Mística de X-Men).

E lembrem que esse ano ainda vem mais um filme candidato a ser mais uma bomba da Marvel: “Quarteto-Fantástico”.
Postar um comentário