propaganda

segunda-feira, 25 de setembro de 2006

Menina má.com

O que dizer sobre um filme que leva o título de “Menina má.com”. Realmente os distribuidores se superam na hora de fazer as traduções no intuito de tentar dar um nome de melhor identificação para o público brasileiro. Quer dizer, acredito eu que esse seja a explicação. O nome original é Hard Candy, que é uma gíria em inglês usada na Internet para definir garotas menores de dezoito anos atraentes.

Pronto, agora vamos ao filme. Hayley (Ellen Page, de “X-Men 3”) é uma menina de 14 anos que marca de se encontrar com Jeff (Patrick Wilson, de “O fantasma da ópera”), um fotográfo de 32 anos, numa lanchonete depois de um papo na Internet. Depois de uma conversa, eles acabam indo para a casa de Jeff. Não demora muito para a menina surpreender e “virar o jogo” contra Jeff e transformar a situação num pesadelo para ele. Ela o amarra numa cadeira e começa um interrogatório e tortura. O seu plano é conseguir fazê-lo confessar sobre a tara por adolescentes. E ela irá fazer de tudo para conseguir isso. O filme focaliza apenas esses dois personagens nesse jogo de “gato e rato”. Tudo isso com um clima tenso, psicótico, claustrofóbico e angustiante.

A inspiração para a história veio do Japão, onde houve casos de estudantes que estavam preparando ciladas para homens mais velhos que procuravam meninas inocentes na Internet. Filmado em apenas 18 dias, o diretor David Slade fez um excelente trabalho com os 2 atores. Eles são o grande trunfo do filme, com destaque maior para Ellen. Os diálogos entre os 2 e maneira como a trama é desenvolvida é bastante interessante.

Pedófilia é sempre um tema polêmico e complicado de ser abordado. O filme tenta levantar quais motivos levam uma pessoa a fazer isso, ainda mais com a facilidade com o uso da Internet. O assunto acaba sendo apenas o início dessa fábula, que passa por mais elementos do comportamento humano como culpa, loucura e obsessão. No final das contas o filme não tenta dar respostas para o assunto e nem fazer um julgamento de seus personagens, apenas uma abordagem mais sutil ao terminar a história, deixando o final um pouco em aberto. Cabe a você ao assistir o filme chegar a sua própria conclusão.
Postar um comentário