propaganda

segunda-feira, 13 de novembro de 2006

Jogos Mortais 3

Título Original: Saw 3 (2006)
Elenco: Angus Macfadyen, Bahar Soomekh, Shawnee Smith, Stefan Georgiou e Tobin Bell
Darren Lynn Bousman
Duração: 107 minutos

O filme “Jogos Mortais 3” chegou aos cinemas brasileiros quase junto com a estréia americana. Isso é o retrato do sucesso que a série vem alcançando. O primeiro foi uma verdadeira surpresa por ser um filme independente e ter sido sucesso de bilheteria. E o melhor de tudo é que suas seqüências mantêm esse mesmo estilo. Com um orçamento baixo para os padrões de Hollywood, algo em torno de 10 milhões de doláres, a receita de sucesso é garantida com lucros bem acima da média. Para se ter uma idéia, só lá nos EUA a bilheteria já está na casa dos 70 milhões.

Continuações sempre vão ter problemas de comparação com os anteriores. E a série Jogos Mortais não seria diferente. Repetir o mesmo clima de suspense e tensão do primeiro é muito difícil. O segundo ainda conseguiu ser legal, ter personagens interessantes apesar de não serem tão bem explorados e ainda conseguir surpreender de alguma forma. Outro fator que acaba mudando é o nível de “brutalidade” das cenas, afinal a platéia espera um algo mais que o antecessor. É justamente aí que o terceiro já começa errado.

O filme começa logo de cara com uma cena de um jogo com um nível de brutalidade bem alto. A coisa continua por mais alguns minutos, vemos mais uns 2 jogos e sim, cadê a história? Aí alguém lembra da necessidade disso. Tudo bem, eles até acabam explicando depois esses jogos mostrados, quer dizer, alguns deles. Mas enfim, vamos a história.

Para quem lembra do final do 2, o vilão Jigsaw (Tobin Bell) e sua nova aprendiz Amanda (Shawnee Smith) sobreviveram e o Jig estava quase morrendo. Pois bem, o cara continua no mesmo estado. Para tentar salvá-lo Amanda seqüestra a médica Lynn (Bahar Soomekh) e a colocam num jogo. Se o coração do Jigsaw parar ela morre, uma boa motivação para fazer de tudo para mantê-lo vivo. Enquanto isso Jigsaw acompanha um outro personagem chamado Jeff (Angus Macfayden) em outro jogo. Bom, acho que já falei até demais, melhor parar por aqui para não estragar o resto da “história”.

Para quem não lembra dos anteriores, principalmente do primeiro, vai ter problemas em entender o desenvolver da trama. O número de referências é alto. E aí que entra o grande problema do filme. Não satisfeitos em fazer uma continuação mais fraca que os filmes anteriores, resolveram ainda estragar os outros. No final das contas parece que só fizeram aumentar mesmo o número de atrocidades e brutalidades (por mais que exista até uma suposta explicação para isso dentro da história).

As explicações dadas para o comportamento de certos personagens é bizarra, principalmente por parte de Amanda. A história acaba tendo vários pulos temporais, flashbacks que nos remetem a coisas do primeiro filme. E foi justamente isso que me deixou irritado. Se eu até achava legal os 2 primeiros, depois desse terceiro já não sei mais se ainda gosto.

Para um filme desse tipo funcionar de alguma forma, é preciso que seja construída alguma empatia com os personagens principais. Para que pelo menos você se importe se eles vão morrer ou não. E aí que temos mais um problema. Os novos “bonecos” são muito sem graça. Por mim todos morriam e eu não estava nem aí para eles. Bom, nos anteriores boa parte dos personagens acaba morrendo mesmo. Só que resolveram dar uma deixa muito bizarra para a continuação. Sim, é isso mesmo. Podem aguardar que ano que vem teremos Jogos Mortais 4. Então ao final do filme quem se importa se o boneco X vai conseguir resolver seu problema, por mim ele morre.

Então é isso, para resumir a história, além de terem estragado os 2 primeiros (o 1 principalmente), ainda arrumaram uma desculpa esfarrapada para irmos assistir o 4. Bom, pelo menos para mim chega!
Postar um comentário