propaganda

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

A Conquista da Honra

Título Original: Flags of Our Fathers (2006)
Elenco: Ryan Phillippe, Jesse Bradford, Adam Beach, John Benjamin Hickey, John Slattery, Barry Pepper, Jamie Bell, Paul Walker, Robert Patrick, Neal McDonough, Melanie Lynskey, Thomas McCarthy e Chris Bauer
Diretor: Clint Eastwood
Duração: 132 minutos


Quando o diretor Clint Eastwood anunciou que faria um filme sobre a batalha de Iwo Jima, logo as autoridades japonesas protestaram. A ilha foi palco de um momento crucial da Segunda Guerra e eles queriam que os mortos fossem respeitados. Então ele teve uma idéia, iria fazer na verdade dois filmes. “A conquista da honra” mostraria o lado americano e “Cartas de Iwo Jima” o lado japonês. Uma idéia bastante interessante e serviu para amenizar a preocupação do Japão.

“A conquista da honra” conta a história sobre a famosa foto tirada durante a batalha no qual alguns soldados estão colocando um mastro com a bandeira americana tirada por Joe Rosenthal, da Associated Express. O governo americano resolveu usar essa imagem para mostrar a população esperança de que a guerra seria vencida e chegaria ao fim. Para isso eles iriam precisar arrecadar dinheiro. Assim foram convocados 3 sobreviventes dos 6 que aparecem na foto: John Bradley (Ryan Philipe), Rene Gagnon (Jesse Bradford) e Ira Hayes (Adam Beach). Eles foram transformados em verdadeiros heróis e teriam que viajar pelo país participando de eventos para arrecadar fundos.

O filme fala sobre o mito do herói, o que vêm realmente a ser considerado um. Os 3 jovens passam por esse drama, por não acharem que possam ser realmente considerados heróis. Alias, o que realmente pode ser considerado um herói de guerra? A trama mistura muito bem cenas de batalha com a turnê pelo país, mostrando o que o governo montou uma imagem falsa com base na foto apenas para arrecadar o dinheiro, enquanto os jovens ainda sofrem com as memórias e dramas passados durante a batalha.

As cenas de guerra são muito bem realizadas, com um realismo assustador, fotografia impressionante e um show de efeitos visuais. São melhores do que as mostradas em “O resgate do soldado Ryan”, por exemplo. Não é por acaso Steven Spielberg é um dos produtores do filme. Mas nem pensem que por causa disso temos um monte de patriotismo exagerado. Muito pelo contrário, já que o filme crítica de certa forma a atitude do governo em se aproveitar da imagem.

A história é baseada no livro escrito por James Bradley, filho de John, junto com o jornalista Ron Powers. Ele só foi descobrir essa história sobre o pai depois que ele morreu. Foram gastos 4 anos de pesquisa para descobrir a verdade por trás da foto. Depois de ler o livro que Eastwood teve a idéia de levá-lo para o cinema.

Vale a pena conferir no final do filme enquanto sobre os créditos várias fotos reais sobre a guerra e a história mostrada. Para finalizar uma imagem real da ilha como está hoje. Vale a pena conferir!

A parte japonesa da história estréia nessa sexta dia 16. Enquanto 'A consquista...' está concorrendo apenas a 2 Oscar (melhor edição de som e mixagem de som), “Cartas de Iwo Jima” está na briga nas categorias principais de melhor filme e melhor diretor. Se a versão americana já é interessante, a versão japonesa promete ser ainda melhor.
Postar um comentário