propaganda

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Ensaio Sobre a Cegueira

Título Original: Blindness (2008)
Com: Julianne Moore, Mark Ruffalo, Alice Braga, Danny Glover, Gael García Bernal, Sandra Oh, Don McKellar, Maury Chaykin, Yusuke Yseya e Yoshino Kimura
Direção: Fernando Meirelles
Roteiro: Don McKellar baseado no livro de José Saramago
Duração: 120 minutos


Nota: 3 (bom)

Adaptar uma obra literária tão renomada quanto “Ensaio Sobre a Cegueira” é um trabalho complicado que o diretor Fernando Meirelles resolveu encarar. O autor José Saramago vetou muitas vezes a adaptação, mas acabou cedendo. Apesar da crítica ter ficado dividida na aprovação do longa o autor gostou e isso foi o mais importante para Meirelles.

A trama mostra um país fictício que sofre com uma inexplicável epidemia de cegueira. Ela vai se espalhando e os infectados são isolados em um manicômio. Aí é que começam os problemas em se amontoar um monte de gente. O lado mais instintivo do ser humano começa se manifestar, ainda mais com a ausência da visão. Lá dentro apenas uma mulher (Julianne Moore) não ficou cega, mas que está lá para ficar com seu marido médico (Mark Ruffalo).

O elenco muito bem escolhido tem nomes de vários países. Além dos 2 americanos já citados temos Alice Braga, Gael García Bernal, Danny Glover, entre outros. Todos estão muito bem em seus respectivos papéis.

O que mais chama a atenção no filme é a parte técnica. Retratar a cegueira descrita no livro com imagens foi uma tarefa complicada. O trabalho feito com a fotografia e a edição ficou realmente muito bom. A escolha das locações, incluindo a cidade de São Paulo, se mostraram bastante acertadas também.

O conteúdo da história também é muito forte em mostrar a degradação do ser humano. Por isso Meirelles passou por problemas em achar o tom certo para o filme sem ser forte demais. O filme acabou passando por muitas mudanças desde a versão exibida em Cannes até a vista no cinema. A idéia era não chocar tanto a ponto do grande público desistir da história antes do final.

O resultado é um bom filme, com ótimas atuações e uma excelente parte técnica. Um filme correto que é bem fiel a sua fonte de adaptação. Talvez tenha faltado um pouco audácia em ter ido um pouco mais longe. Mas isso também era um risco de acabar fugindo ao livro. O risco da adaptação já era alto demais, talvez não valesse a pena.
Postar um comentário