propaganda

terça-feira, 8 de maio de 2012

Jovens Adultos

Título Original: Young Adult (EUA , 2011)
Com: Charlize Theron, Patton Oswalt, Patrick Wilson e Elizabeth Reaser
Direção: Jason Reitman
Roteiro: Diablo Cody
Duração: 94 minutos


Nota: 4 (ótimo)

O diretor Jason Reitman e a roteirista Diablo Cody voltam a trabalhar juntos novamente em “Jovens Adultos” após parceria bem sucedida em “Juno”. Temos novamente uma personagem feminina passando por um dilema adolescente.

Juno era uma adolescente que passa por um drama adulto ao ficar grávida. Aqui temos Mavis (Charlize Theron), uma adulta que ainda continua com comportamento adolescente. Ela foi morar na cidade grande onde é “ghost writer” (escreve, mas outra pessoa recebe os créditos) de uma série de livros para jovens adultos e usa suas próprias experiências nas histórias. Ao receber um e-mail de um antigo namorado do colégio convidando para o batismo de sua filha ela resolve voltar para sua cidade natal com o objetivo de reconquistar seu antigo amor.

Voltar a cidade natal vai ser uma volta ao passado de algo que ela deixou para trás. E isso irá mexer com a vida de Mavis. Tudo poderia cair num drama ou comédia em excesso resultando numa história com lição de moral. Mas não é isso que Reitman e Cody nos mostram.

Cody mais uma vez retrata personagens de maneiras bem humanas e equilibra muito bem o drama com a comédia. Enquanto Reitman pega a história e coloca os personagens nos lugares certos com um ótimo elenco. O destaque obviamente fica por conta da protagonista  Charlize Theron.

A atuação de Theron é o grande trunfo do filme. Ela entrega uma performance bastante convincente da personagem vivendo o prolongamento da adolescência. Iremos acompanhar sua viagem de volta ao seu passado e tentar entender como ela se transformou naquela mulher.
A dupla Cody e Reitman acerta mais uma vez a mão e entregam um ótimo filme que é capaz de divertir com ótimos momentos cômicos, mas que também tem bons momentos de drama e um pouco de vergonha alheia. Afinal de contas o ser humano é assim, capaz de acertar e principalmente de errar. Gosto principalmente do final sem moralismo ou lição de moral, principalmente sobre a conclusão que a personagem chega.
Postar um comentário