propaganda

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Inside Llewyn Davis - Balada de Um Homem Comum

Título Original: Inside Llewyn Davis (EUA , 2013)
Com: Oscar Isaac, Carey Mulligan, John Goodman, Justin Timberlake, Ethan Phillips, Robin Bartlett, Jerry Grayson, Jeanine Serralles, Adam Driver, Stark Sands, John Goodman e Garrett Hedlund
Direção e Roteiro: Ethan Coen e Joel Coen
Duração: 105 minutos

Nota: 2 (regular)

Sou fã dos filmes dos irmãos Coen, mas eles me decepcionaram em seu último trabalho chamado “Inside Llewyn Davis - Balada de Um Homem Comum”. Eles são fãs de música folk americana e já fizeram uma bela homenagem em “E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?”. Aqui a ideia era fazer uma biografia musical diferente ao mostrar um protagonista que nunca chegou ao sucesso. Afinal de contas filmes sobre sucesso já foram feitos em exaustão. A premissa é boa, infelizmente o resultado nem tanto.


A história é livremente inspirada num cantor chamado Dave Von Ronk que no filme virou o personagem fictício Llewyn Davis. Ele é um cara talentoso, mas sua personalidade cheia de arrogância o trará problemas. Sua vida pessoal é um caos! Ele fazia dupla com outro cantor, mas agora tenta a carreira solo. Iremos acompanhar suas desventuras em busca de reconhecimento.

O forte do filme são as canções e a interpretação do protagonista Oscar Isaac. E apesar de serem boas canções, o fato de eu não ser muito fã de música folk faz com que no decorrer do filme elas acabem soando um pouco chatas e cansativas. O elenco também é bem interessante e é bom ver Justin Timberlake mostrando seu lado ator e músico ao mesmo tempo, apesar do lado musical ser bem diferente da sua carreira como ator.

O filme é interessante por mostrar essa trajetória de não sucesso, já que geralmente as biografias musicais sempre mostram o sucesso e muitas vezes a consequente decadência por uso de drogas e coisas do tipo. Mas no final das contas ele não funciona tão bem talvez pelo fato de seu protagonista ser bastante antipático e também pelo fato dos Coen usarem demais o estilo “cinema independente” de narrativa que em alguns momentos acaba deixando a trama um pouco lenta, chata e arrastada. Uma pena pois a ideia tinha bastante potencial.
Postar um comentário