propaganda

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Trash - A Esperança vem do Lixo

Título Original: Trash (2014 / Reino Unido)
Com: Wagner Moura, Selton Mello, Richard Curtis, Rickson Tevez, Eduardo Luis, Gabriel Weinstein, Rooney Mara, Martin Sheen, André Ramiro e José Dumont
Direção: Stephen Daldry
Roteiro: Richard Curtis
Duração: 114 minutos

Nota: 3 (bom)

Confesso que não gostei dos últimos 2 filmes do diretor Stephen Daldry: “O Leitor” e “Tão Forte e Tão Perto”. Mas em “Trash - A Esperança vem do Lixo” ele conseguiu fazer um filme no Brasil sem utilizar os clichês e caricaturas do país. Isso funcionou ao focar na história de 3 garotos.


A história é baseada no livro de Andy Mulligan, escritor que passou por Índia, Filipinas, Vietnã e Brasil ensiando inglês para crianças pobres. Dessa experiência ele tirou a inspiração para o livro. Na hora de filmar o diretor Stephen Daldry acabou escolhendo o Brasil como local de filmagens pela parte técnica. Ele usou a equipe local da produtora O2 de Fernando Meirelles. E isso fez com que o filme parecesse mais um produto brasileiro do que gringo.

Na trama iremos acompanhar os 3 garotos: Rafael, Gardo e Rato, que vivem no lixão e sobrevivem catando lixo. Eles embarcam numa “aventura” quando um deles encontra uma carteira com dinheiro e outras pistas. Resolvem então tentar investigar e acabar se envolvendo com policiais e políticos corruptos.

Ao explorar mais esse tom “sério” ao envolver temas mais pesados como violência e corrupção policial e política o tom de aventura infanto-juvenil acaba ficando um pouco prejudicado. Ainda asim o resultado é positivo.

Como falei no início, as grandes estrelas são os 3 garotos: Rickson Tevez, Eduardo Luis e Gabriel Weinstein, que apesar de não terem experiência de atuação conseguem com muito carisma e química fazer com que seus papéis funcionem. Aos atores adultos cabe apenas ficar em segundo plano e entregar performances apenas corretas.
O final acaba deixando um pouco o lado fábula ao tentar usar um pouco de moralismo em relação a corrupção e coisas do tipo, mas não chega a comprometer o resultado final. É um bom filme que consegue ser divertido apesar do tom um pouco “sério” demais.
Postar um comentário