propaganda

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

O Jogo da Imitação

Título Original: The Imitation Game (Reino Unido, 2014)
Com: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode, Mark Strong, Charles Dance, Allen Leech, Tuppence Middleton, Rory Kinnear, Steven Waddington e Tom Goodman-Hill
Direção: Morten Tyldum
Roteiro: Graham Moore
Duração: 114 minutos

Nota: 5 (excelente)

Eu que sou da área de Informática estudei sobre Alan Turing, mas não conhecia sobre sua vida e participação na 2ª guerra mundial. O filme “O Jogo da Imitação” foca principalmente nessa parte da guerra e mostra também um pouco sobre sua infância e o pós-guerra, tentando explicar ou entender sua vida.


Turing foi um gênio que era matemático que trabalhava entre outras coisas com criptografia. Ele foi convocado para uma missão secreta e se juntar ao um grupo que iria tentar desvendar o código da máquina nazista chamada Enigma que era responsável por codificar as mensagens de comunicação. A chave mudava todo dia, então todo o esforço para desvendar as mensagens em um dia era perdido e tinha que começar do zero no dia seguinte. Turing então resolveu então criar uma máquina para quebrar esse código, mas a tarefa não ia ser fácil. Ele não era uma pessoa fácil de se conviver, não tinha muito empatia com os outros que o achavam arrogante. 

O filme faz um estudo e uma análise sobre essa figura histórica. A história é baseada no livro "Alan Turing: The Enigma", de Andrew Hodges. Inclusive esse título descreve bem o personagem, ele era um enigma (fazendo trocadilho com o nome da máquina alemã). Então como falei no início, a trama foca em 3 momentos alternando entre eles para tentar entender as motivações ou o que o levou a ficar desse jeito. Uma das partes polêmicas de sua vida é o fato de ser homossexual e de como isso atrapalhou sua vida por sofrer preconceito na vida acadêmica e por ser crime na época na Inglaterra.

Benedict Cumberbatch (Além da Escuridão - Star Trek) faz um excelente trabalho ao dar vida a Alan Turing com uma ótima atuação e cheia de carisma. Apesar da dificuldade do personagem em se relacionar com as pessoas é impossível não se torcer pelo personagem graças a empatia que o ator da ao protagonista. E isso é fundamental para se apreciar sua impressionante história.

Ao contrário de “A Teoria de Tudo”, que mostra a vida de Stephen Hawking, aqui o filme consegue mostrar toda a importância histórica de Alan Turing tanto em seu papel decisivo na segunda guerra como também na história da informática por ter criado o primeiro computador. Inclusive a cena em que eles conseguem colocar a máquina para funcionar é emocionante, principalmente para um nerd de informática como eu (risos). 
Sua participação na guerra ficou em segredo por muito tempo, portanto o filme também serve para de alguma forma recuperar essa pedaço da história da humanidade dando ainda mais importância ao seu feito. Talvez a parte após o funcionamento da máquina e resolução da guerra pudesse ter sido melhor explorada. Obviamente que em 2 horas não da para mostrar e analisar tudo, mas o filme consegue fazer um bom resumo da vida dele sem deixar de citar as partes mais polêmicas e importantes.
Postar um comentário