propaganda

segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

Diamante de Sangue

Título Original: Blood Diamond (2006)
Elenco: Leonardo DiCaprio, Djimon Hounsou e Jennifer Connelly
Diretor: Edward Zwick
Duração: 141 minutos


Se um filme de aventura não tem conteúdo logo é ele é criticado por isso. Nos anos 80 eles costumavam ter um tom mais de paródia, como filmes do Indiana Jones ou “Tudo por uma esmeralda”.

Ao assumir o comando de “Diamante de Sangue”, o diretor Edward Zwick (“O último samurai”) resolveu dar um tom mais político e real a história que se passa na África. Será que é possível entreter o grande público e ao mesmo tempo tentar chamar atenção a um determinado assunto? Se engana quem acha que o filme tem alguma pretensão política, não é isso. Não da para comparar com um filme tipo “O jardineiro fiel”. O que seria apenas mais um filme de aventura “besta”, ganhou uma contexto mais “sério”.

A história se passa na Serra Leoa no final dos anos 90, época em que o país sofria com problemas causados pela extração de diamantes. Danny Archer (Leonardo DiCaprio) ganha vida com o tráfico de diamantes. Ele resolve ajudar Solomon Vandy (Djimon Hounsou), um pescador que foi separado de sua família e levado para trabalhar na mineração e acaba encontrando um “diamante rosa”. A pedra irá ajudar ambos a resolverem seus problemas, um em achar a família e o outro a fugir do país saindo da vida do tráfico. Acaba entrando também na história a jornalista Maddy Bowen (Jennifer Connelly), que está em busca de uma história sobre os diamantes e acaba ajudando os dois. Cada um com seu próprio interesse pessoal.

A trama mistura tiros, perseguições, correria e muita ação com as questões sociais e atrocidades que acontecessem no lugar. A figura do anti-herói de Archer interessado apenas no diamante se equilibra com a do pai de família Vandy, que vê no diamante uma oportunidade de salvar sua família. E no meio disso temos a jornalista Bowen que quer a história sobre o tráfico de diamantes de Archer e ao mesmo tempo tentar ajudar Vandy a salvar sua família.

Por mais que o filme tenha seus clichês e o pano de fundo político, na verdade ele é mesmo um filme de aventura. O elenco também da a ele bastante qualidade. DiCaprio faz mais uma excelente performance, ao ponto de ter sido indicado a 2 Globo de Ouro de melhor ator: 1 por esse filme e o outro por “Os Infiltrados”. Com certeza com um desses ele deve ganhar também uma indicação ao Oscar. Hounsou as vezes exagera um pouco, mas não chega a comprometer sua atuação. E Jennifer Connelly que além de uma grande atriz ainda da um brilho com sua beleza e charme.

A mensagem de alerta sobre a situação da África pode até soar meio ingênua, mas mais ingênuo ainda é achar que o grande público que vai ao cinema irá tentar mudar isso por causa de um filme. Engano é tentar ver o filme como tentativa de chamar a atenção para essa situação. Ele é apenas um filme de aventura, divertido e que aproveitou para tentar mostrar um pouco dessa realidade.
Postar um comentário