propaganda

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Presságio

Título Original: Knowing (EUA, 2009)
Com: Nicolas Cage, Rose Byrne, Chandler Canterbury, Lara Robinson, Ben Mendelsohn, Nadia Townsend, Alan Hopgood e Danielle Carter
Roteiro: Ryne Douglas Pearson, Juliet Snowden, Stiles White e Stuart Hazeldine
Direção: Alex Proyas
Duração: 122 minutos


Nota: 1 (ruim)

Nicolas Cage é sem dúvida um ator talentoso, mas infelizmente sua escolha para filmes quase nunca tem sido acertada e são totalmente irregulares. Ao ver um filme estrelado por ele sempre penso no pior e esse “Presságio” não fugiu a regra.

O filme mistura fantasia e ficção científica com direção de Alex Proyas, que estreou bem com “O Corvo” em 1994, mas errou a mão com “Eu, robô”. Seria essa uma chance de fazer algo relevante, mas o resultado não foi bem esse.

A premissa do filme é até interessante. Uma escola fez 50 anos atrás um projeto chamado cápsula do tempo, no qual cada aluno iria fazer um desenho de como achava que seria o futuro que seria guardado num recipiente e aberto 50 anos depois. Acontece que uma garotinha bem esquisita escreve uma série de números.

No presente Nicolas Cage vive um professor de astrofísica e seu filho estuda nessa mesma escola. Ao abrirem o recipiente o menino pega o que foi escrito pela garotinha e leva pra casa. Cage então acaba descobrindo que os números coincidem com datas de grandes acidentes e a quantidade de pessoas que morreram e que ainda existem eventos que irão ocorrer. Ele então fica totalmente atordoado e segue em frente com a investigação.

O mistério da história até prometia, mas o desenvolvimento da trama acaba jogando tudo fora. Falta muita coerência e são muitos os absurdos que acontecem. Não estou me referindo nem a ser mentira ou não, na questão da fantasia, mas sim no comportamento e atitudes tomadas pelo personagem principal e os rumos que a história toma.

Em muitos momentos eu me senti perdido no filme, como se de uma cena para outra estivesse faltando alguma coisa para conectá-la. Eu me perguntava como o Nicolas Cage tinha ido parar em determinado lugar ou por que tinha feito aquilo.

Apesar disso o filme tem até algumas cenas boas, principalmente envolvendo os acidentes, mesmo que eles sejam um pouco exagerados e absurdos, mas pelo menos são bem feitos.

Só resta então lamentar pelo desperdício de uma boa idéia e mais um filme ruim para o currículo de Cage. Mas não acho que ele esteja se importando muito com isso. Afinal de contas a profissão dele é ser ator e ganhar dinheiro, então se considerarmos isso ele está cumprindo bem o seu papel já que geralmente seus filmes tem boa bilheteria. Esse mesmo estreou em 1º nas bilheterias americanas. Quem perde é o público com filmes de má qualidade, mas se continuam dando dinheiro deve ser porque gostam desse tipo de filme.
Postar um comentário