propaganda

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Quase Irmãos

Título Original: Step Brothers (2008)
Com: Will Ferrell, John C. Reilly, Mary Steenburgen, Richard Jenkins, Adam Scott, Kathryn Hahn e Andrea Savage
Direção: Adam McKay
Roteiro: Adam McKay e Will Ferrell
Duração: 105 minutos


Nota: 2 (regular)

Will Ferrell se juntou novamente ao diretor Adam McKay e ao ator John C. Reilly para juntos realizarem mais uma comédia. “Quase Irmãos” reúne o trio novamente após o sucesso de “Ricky Bobby - A Toda Velocidade”. Dessa vez o filme chegou aos cinemas, já que as comédias de Ferrell sempre sofrem uma espécie de boicote aqui no Brasil. Após algum tempo de ter estreado no Brasil ele chegou aos cinemas de Salvador. Infelizmente aconteceu o mesmo problema de “RocknRolla”, só ficou 1 semana em cartaz. O jeito foi apelar para o download.

Ferrell andava fazendo filmes de paródia de esportes, mas dessa vez o tema foi diferente. Atualmente é cada vez mais comum os jovens morarem na casa dos pais até mais velhos. A piada começa a partir dessa premissa.

Brennan Huff (Ferrell) tem 39 anos e ainda mora com sua mãe. Dale Doback (Reilly) tem 40 anos e ainda mora com seu pai. O problema começa quando os respectivos mãe e pai se conhecem e resolvem se casar. Todos então vamos morar juntos como uma família e eles viraram irmãos. As piadas giram em torno dessa situação, nenhum dos 2 está muito satisfeito. Primeiro eles começam a brigar feito crianças e irmãos, depois acabam virando melhores amigos.

O filme tem até boas piadas, mas o resultado é abaixo da média. A premissa era bem interessante, mas o pecado fica por conta do exagero. Algo bem parecido com o que aconteceu com “O Virgem de 40 anos”. Os personagens se comportam feito adolescentes até um determinado ponto que deixam de ser “reais” e se tornam caricatos e absurdos demais.

Uma equipe dessas poderia ter feita algo melhor, esperava muito mais desse trio repetindo a pareceria. O resultado não é dos piores, mas podia ser bem mais interessante, engraçado e divertido. Algumas poucas boas piadas não são suficientes.
Postar um comentário