propaganda

terça-feira, 10 de março de 2009

Watchmen - O Filme

Título Original: Watchmen (EUA, 2009)
Com: Patrick Wilson, Jackie Earle Haley, Matthew Goode, Billy Crudup, Jeffrey Dean Morgan, Malin Akerman, Carla Gugino, Stephen McHattie e Matt Frewer
Roteiro: David Hayter e Alex Tse
Direção: Zack Snyder
Duração: 163 minutos


Nota: 2 (regular)

Watchmen – O Filme” chega aos cinemas com a difícil tarefa de adaptar a graphic novel de Alan Moore. O diretor Zack Snyder, que já teve outra experiência em adaptar quadrinhos com “300”, tinha o trabalho de adaptar uma obra tão complexa ao ponto de agradar os fãs e ao mesmo tempo conseguir adaptá-lo para o grande público. O resultado que se vê na tela não é um filme ruim, mas ao comparar com a revista a coisa complica.

Como eu já tinha falado aqui no blog quando comentei sobre a revista, o problema da adaptação seria a estrutura da história. São muito detalhes e não da para colocar tudo num filme de pouco mais de 2 horas e meia. O que resta é adaptar apenas a história, e nisso o filme cumpre bem o seu papel. O básico da trama está lá, mas não é suficiente. O ritmo vai até bem até pouco mais da metade, mas a parte final se perde bastante em concluir tudo rápido demais.

O maior vilão do filme acaba sendo a armadilha da fidelidade com a revista. A trama é colocada como elemento principal, então a escolha do elenco ficou em segundo plano. Isso também compromete bastante o filme. O único que merece destaque é Jackie Earle Haley como Rorschach. Ele é o único que consegue fazer um personagem bem próximo ao que é visto nos quadrinhos. O mais fraco sem dúvidas é Matthew Goode como Ozymandias, tanto pela atuação quanto pela caracterização do personagem.

Mesmo assim Zack Snyder demonstrou muito respeito pela obra original e o que se vê no resultado final do filme talvez seja apenas sua limitação como diretor. Ele fez o melhor que podia, tentou ser fiel a história, mas seu estilo “visionário” de direção com cenas em câmera lenta e coisas do tipo talvez não seja a mais adequada para uma obra como “Watchmen”. Em “300” isso funciona muito bem. A idéia da revista era mostrar como seriam os super heróis no mundo real, mas esse tipo de coisa fica parecendo que estamos vendo algo tipo “Matrix”.

O pior é que uma das poucas “cenas de ação” da revista, a invasão da prisão, tenha virado uma cena de luta tão sem graça. Outras duas cenas que também perderam impacto foram as sessões de Rorschach com o psicólogo e as divagações do Dr. Manhattan em Marte, só para citar algumas.

O resultado é um filme bem regular, tanto como adaptação da revista quanto como filme em si. A falta de atuações marcantes também faz com que a história perca o impacto.

Postar um comentário