propaganda

segunda-feira, 26 de março de 2012

Fúria de Titãs 2



Título Original: Wrath of the Titans (EUA, 2012)
Com: Sam Worthington, Bill Nighy, Ralph Fiennes, Liam Neeson, Rosamund Pike, Toby Kebbell, Danny Huston, Édgar Ramírez, Matt Milne e George Blagden
Roteiro: Dan Mazeau e David Leslie Johnson
Direção: Jonathan Liebesman
Duração: 99 minutos

Nota:1 (ruim)

Infelizmente o filme “Fúria de Titãs” apesar de sua qualidade duvidosa, acabou sendo um sucesso de público. Então não ia demorar para que o estúdio encomendasse uma continuação para a franquia. O elenco principal está de volta, apenas o diretor Louis Leterrier conseguiu escapar ficando apenas como produtor executivo e dando seu lugar para Jonathan Liebesman, que recentemente dirigiu “Invasão do Mundo: Batalha de Los Angeles” (que eu não fiquei muito interessado em assistir).

Em “Fúria de Titãs 2” encontramos novamente com Perseu (Sam Worthington) dez anos após ter derrotado o Kraken tentando levar uma vida comum cuidando de seu filho Helio. Enquanto isso no mundo dos deuses a briga pelo poder continua e mais uma vez Hades (Ralph Fiennes) esquematiza um plano para tomar o poder de Zeus (Liam Neeson) com a ajuda de Ares (Édgar Ramírez) para libertar Cronos.

O filme basicamente repete a mesma fórmula do primeiro, basta trocar o Kraken por Cronos como o “último chefão”. A diferença é que agora temos um pouco de “alívio cômico” com os personagens Agenor (Toby Kebbell), um semideus filho de Poseidon, e a participação especial do ator Bill Nighy (Piratas do Caribe: No fim do mundo) como o deus caído Hefesto. Mas nenhum deles chega realmente a dar muita graça a história.

Se o roteiro não é grandes coisas e o elenco apesar de bom entrega atuações em modo automático, o que poderia salvar o filme seriam as cenas de ação e aventura. Mas é justamente nessa hora que o filme erra feio, pior que no primeiro. O 3D foi utilizado novamente e mais uma vez não acrescenta muita coisa. Talvez até piore um pouco já que os efeitos especiais são bem ruins, totalmente artificiais.
Se nem a ação salva, então realmente não tem nada que se salve no filme. Uma história ruim com personagens totalmente sem graça, capazes de deixam os deuses com vergonha. Uma continuação totalmente desnecessária e vamos ver se dessa vez a resposta do público também seja ruim como o filme.
Postar um comentário