propaganda

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

30 Dias de Noite

Título Original: 30 Days of Night (2007)
Com: Josh Hartnett, Melissa George, Danny Huston, Ben Foster, Mark Boone Junior e Mark Rendall
Direção: David Slade
Roteiro: Steve Niles, Stuart Beattie e Brian Nelson
Duração: 113 minutos


Os quadrinhos estão cada vez mais ganhando força como fonte para realização de filmes. O diretor Sam Raimi, de Homem Aranha, conheceu a revista “30 Dias de Noite” escrita por Steve Niles e desenhada por Ben Templesmith e resolveu transformar em filme e voltar aos filmes de terror que os fizeram famoso com a trilogia “Uma noite alucinante” (Evil Dead). Só que dessa vez ele resolveu apenas produzir e deixou a direção com David Slade, que fez sua estréia no cinema com “Menina má.com”.

A história tem uma premissa interessante onde vampiros resolvem atacar uma cidade no norte do Alasca que fica trinta dias sem a luz do sol durante o inverno. Durante esse período a cidade fica isolada. Os vampiros se aproveitam dessas vantagens para fazer a festa em cima dos moradores do local.

O filme tem uma estrutura de um filme de terror clássico, logo rola muito suspense, sustos, escuridão, claustrofobia e claro, muito sangue. Tudo isso com um tom bastante sério, mas nem por isso a audiência precisa levá-lo a sério o tempo todo. Afinal de contas se trata apenas de um filme de terror.

O próprio autor da revista, Niles, se encarregou escrever o roteiro junto com Stuart Beattie e Brian Nelson. Claro que nem por isso ele conseguiu adaptar a revista de maneira totalmente fiel e teve que ceder a algumas mudanças solicitadas tanto pelo estúdio quanto pelo produtor Raimi.

Com um orçamento de “apenas” 31 milhões de dólares, o filme foi bem na bilheteria americana e já recuperou esse gasto. Fora que ainda falta dinheiro de venda de DVDs, televisão e em outros lugares do mundo. Com isso é bem capaz das outras obras de Niles acabarem também ganhando uma chance no cinema.

Um filme de terror bacana, divertido, que tem tudo para agradar os fãs do gênero.
Postar um comentário