propaganda

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Budapeste

Título Original: Budapeste (Brasil, 2008)
Com: Leonardo Medeiros, Gabriella Hármoni, Giovanna Antonelli, Ivo Canelas e Nicolau Breyner
Roteiro: Rita Buzzar (baseado no livro de Chico Buarque de Hollanda)
Diretor: Walter Carvalho
Duração: 113 minutos


Nota: 3 (bom)

Muita gente não deve saber, mas o músico Chico Buarque também é autor de livros. Esse não é o seu primeiro livro a virar filme. Antes de “Budapeste”, “Benjamim” também tinha ganhado uma adaptação, mas o resultado não foi dos melhores. Com isso a roteirista Rita Buzzar teve que convencer o autor que era possível transpor o livro para o cinema, que acabou cedendo e colaborando no roteiro, além de fazer uma rápida participação especial aparecendo no filme.

A direção ficou com Walter Carvalho, famoso diretor de fotografia de filmes como “Amarelo Manga”, “Crime Delicado” e muitos outros, estreando no comando de um filme.

O filme conta a história de José Costa (Leonardo Medeiros), um “ghost writer”, isto é, um escritor especialista em escrever livros para terceiros com a condição de permanecer anônimo. A vida dele se divide entre duas mulheres e duas cidades. No Rio de Janeiro ele é casado com Vanda (Giovanna Antonelli), uma famosa apresentadora de telejornal. E em Budapeste ele conhece e se apaixona por Kriska (a atriz húngara Gabriella Hámori), que o ensina o idioma.

Leonardo Medeiros, o ator principal, teve que improvisar e se esforçar bastante, pois seu personagem acaba aprendendo a falar húngaro e, além disso, teve que aprender a falar como um cidadão carioca, cidade do personagem.

A parte o improviso ficou por conta da criação do clima de estranhamento entre seu personagem e o da Gabriella. Eles não se conheceram até gravarem a primeira cena e é possível sentir isso logo na primeira cena em que os personagens se conhecem.

A história é bastante centrada nas palavras, já que o protagonista é escritor, e sobre o fato da sua peculiar profissão que o deixa sempre assumindo de certa forma a personalidade de outra pessoa.

É possível sentir que a adaptação do livro não foi nada fácil por causa desse jogo de palavras, mas para compensar a fotografia é maravilhosa. As imagens captadas das duas cidades, principalmente de Budapeste, são muito boas.

Talvez apenas imagens não sejam suficientes para se contar a história. Fica um pouco da sensação que a idéia da história com certeza deve funcionar melhor no livro. Mas mesmo assim o resultado é bom. É sempre bom ver o cinema nacional que foge totalmente do esquema da televisão, ou mais especificamente da rede Globo.

* O filme "Budapeste" estréia próxima sexta dia 22 de Maio.
Postar um comentário