propaganda

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Professora Sem Classe

Título Original: Bad Teacher (EUA – 2011)
Com: Cameron Diaz, Jason Segel, Justin Timberlake, Lucy Punch, Phyllis Smith, John Michael Higgins, Kaitlyn Dever e Matthew J. Evans
Direção: Jake Kasdan
Roteiro: Gene Stupnitsky e Lee Eisenberg
Duração: 92 minutos

Nota: 3 (bom)

Professora Sem Classe” ironiza bastante com filmes que mostram professores como, por exemplo, “Mentes Perigosas” com Michelle Pfeiffer. Mas o que mais chama a atenção é o quanto o personagem principal interpretado por Cameron Diaz é politicamente incorreto.

Ela vive Elizabeth, uma professora do ginásio que este prestes a largar o ofício para casar com um homem rico. O cara acaba descobrindo que ela só está interessada no dinheiro e desiste do casamento, então ela terá que voltar ao batente enquanto procura outro ricaço disposto a sustentá-la.

Diaz está ótima no papel de professora disposta a tudo para conseguir seus objetivos. Contar sobre seu comportamento pode estragar as piadas do filme. E como uma boa comédia, os personagens secundários são essenciais. O elenco de apoio é bem interessante e conta com nomes como Jason Segel e Justin Timberlake, mas o destaque mesmo fica por conta de Lucy Punch no papel de uma professora “rival”.

Como eu falei no início, a grande graça do filme é o comportamento politicamente incorreto da protagonista. As piadas em cima disso são muito boas. E o melhor tudo é que não temos lição de moral em relação a essa conduta e isso é um ponto bastante positivo, ainda mais se tratando de um filme de Hollywood. Por mais que no final das contas tenha um “final feliz”, não espere que no final ela vire uma boazinha.

Um dos filmes que me veio a cabeça durante a sessão foi “Papai Noel às avessas” com Billy Bob Thornton. O tom politicamente incorreto dos 2 são bastante parecidos na figura de seus respectivos protagonistas.

No final das contas o filme cumpre seu papel como uma boa comédia, com bons momentos e diversão garantida. Talvez ele pudesse ter ido um pouco mais além, mas isso não chega a comprometer.
Postar um comentário