propaganda

terça-feira, 5 de novembro de 2013

É o Fim

Título Original: This is the End (EUA , 2013)
Com: Seth Rogen, Jay Baruchel, James Franco, Craig Robinson, Jonah Hill, Danny Mcbride, Michael Cera, Emma Watson, Rihanna, Christopher Mintz-Plasse, Aziz Ansari e Kevin Hart
Direção e Roteiro: Evan Goldberg, Seth Rogen
Duração: 107 minutos


Nota: 3 (bom)

O filme “É o Fim” é uma paródia de filmes sobre o fim do mundo, mas mais do que isso é uma piada em torno nos envolvidos na produção. Evan Goldberg e Seth Rogen que já escreveram juntos “Superbad” e “Segurando as pontas” estreiam na direção. A ideia é inspirada no curta “Jay and Seth vs. The Apocalypse”, estrelado por Seth Rogen e Jay Baruchel (Como Treinar o seu Dragão). No curta eles ficam presos sozinhos num apartamento, aqui eles ficam numa casa com outras pessoas.

A piada já começa pelo fato dos atores envolvidos interpretarem eles mesmos. Então se você não conhece o elenco e não assistiu aos seus filmes boa parte das piadas não farão muito sentido e o filme não terá a menor graça.

Essa restrição é ruim por um lado por causa das referências que sem elas o negócio não funciona, mas em compensação eles não tem o menor pudor em zoar a si mesmos e isso acaba justificando. É uma grande piada interna! E tem um pouco de ironia sobre o culto das celebridades e da visão estereotipadas que temos de alguns deles.

Na história Jay Baruchel vai para Los Angeles visitar seu amigo Seth Rogen para curtir a amizade jogando videogame, comendo besteira, bebendo e fumando maconha. Mas está rolando uma festa na nova casa de James Franco (Oz - Mágico e Poderoso) e Seth resolve ir, apesar de Jay ser contra. Lá eles encontram várias outras celebridades como Michael Cera (Scott Pilgrim Contra o Mundo), Emma Watson (Bling Ring), Rihanna, Christopher Mintz-Plasse (Kick-Ass), entre outros.

No meio da festa o apocalipse começa, muitos morrem e acabam ficando presos na casa apenas Seth Rogen, Jay Baruchel, James Franco, Craig Robinson (Pagando Bem, que Mal tem?), Jonah Hill (Anjos da Lei) e Danny Mcbride (Um Parto de Viagem). Aí começa uma mistura de Big Brother, comédia e filmes de terror. Tudo é claro com bastante humor com mistura de besteirol e nonsense.

O resultado é bem engraçado e divertido, principalmente para aqueles que são fãs dos envolvidos. Mas no final das contas o negócio acaba sendo mais um filme sobre “bromance” (amizade masculina) tipo “Eu te amo, cara” e “Superbad” e eu confesso que já estou um pouco de saco cheio disso (risos).
Postar um comentário