propaganda

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Álbum de Família

Título Original: August: Osage County (EUA , 2013)
Com: Meryl Streep, Julia Roberts, Julianne Nicholson, Ewan McGregor, Juliette Lewis, Sam Shepard, Margo Martindale, Chris Cooper, Abigail Breslin, Dermot Mulroney, Misty Upham e Benedict Cumberbatch
Direção: John Wells
Roteiro: Tracy Letts
Duração: 121 minutos


Nota: 4 (ótimo)

O trailer do filme “Álbum de Família” mostra o drama familiar da história e não é muito empolgante, mas o elenco é tão bom que é difícil não ficar curioso em ir assistir. Somente um nome já vale o ingresso: Meryl Streep. Ela entrega mais uma excelente atuação. Mas o restante dos atores também são muito bons.

A história não é muito criativa, mas o desenvolvimento da trama é bem interessante. A família Weston se reúne novamente em sua cidade natal após a morte do patriarca Bev (Sam Shepard). E como qualquer família eles tem várias questões não resolvidas entre si. A principal é a relação entre a mãe Violet (Meryl Streep) e a filha mais velha Barbara (Julia Roberts). Ainda tem as outras duas filhas: Ivy (Julianne Nicholson) e Karen (Juliette Lewis). E quando todos estão juntos as faíscas começam a aparecer.

As principais críticas e ironias vem de Violet que tem um humor totalmente crítico e sem pudor. Ela tem os melhores momentos e as melhores tiradas do filme. Algumas são engraçadas, mas outras são mais cruéis. E esse é mais ou menos o tom da história alternando entre um drama e algo próximo da comédia, mas sempre no lado sério da situação e não fazendo graça do que está acontecendo.

E apesar de o drama familiar ser algo óbvio e já bastante explorado no cinema o diretor John Wells consegue fugir do lugar comum e fazer um filme bem interessante que aborda o tema de maneira bem realista. Assim não espere um final feliz, afinal de contas no mundo real nem sempre as coisas se resolvem da melhor maneira possível, ainda mais quando se trata de família. Temos um retrato bem agridoce de uma briga de gerações entre pais e filhos.

A história é bem polarizada entre os personagens de Streep e Roberts, mas o diretor consegue de maneira muito boa dar espaço para todos os outros personagens que tem seus momentos e importância dentro da história. E todos sem desfechos satisfatórios, menos Barbara. Talvez ela seja a que tenha um final mais “sem graça”.

O resultado é um ótimo drama com toques de comédia que consegue fugir do lugar comum do tema e que ganha ainda mais força graças ao incrível elenco.
Postar um comentário