propaganda

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Os Três Mosqueteiros

Título Original: The Three Musketeers (Alemanha, França, EUA, Reino Unido , 2011)
Com: Logan Lerman, Milla Jovovich, Matthew Macfadyen, Ray Stevenson, Luke Evans, Mads Mikkelsen, James Corden, Juno Temple, Orlando Bloom e Christoph Waltz
Direção: Paul W. S. Anderson
Roteiro: Andrew Davies e Alex Litvak
Duração: 110 minutos

Nota: 2 (regular)

Até que demorou bastante para alguém em Hollywood ter a brilhante idéia de fazer um novo filme com “Os Três Mosqueteiros”. A nova versão ficou sob o cargo de Paul W. S. Anderson, mais conhecido pela franquia “Resident Evil”. Então não espere algo totalmente fiel ao livro de Alexandre Dumas.

A idéia parece ter sido dar uma “modernidade” a alguns elementos da história com direito a algumas engenhocas como um navio dirigível. Tudo bem, ele é até legal e rende alguns momentos legais ao filme. Mas antes de tudo tem uma coisa que estraga o filme sem entrar em muitos detalhes: a falta de carisma dos mosqueteiros. Sem dúvidas esse é o principal problema dessa nova versão.

Não que os atores sejam ruins, mas eles juntos simplesmente não funcionam. Pronto, com essa questão o resto dos problemas acabam falando mais alto e o filme acaba ficando apenas no regular, nunca ruim o suficiente e nem também bom e divertido na medida certa.

Outro ponto que também poderia salvar o filme são as cenas de luta e de ação, mas nisso o filme também deixa a desejar. O estilo de direção de Anderson combina mais com tiros e explosões, mas o excesso de câmeras lentas e tentativa de fazer cenas “estilizadas” acabam prejudicando bastante o resultado visto na tela. Parece que ele tem o mesmo problema do “visionário” Zack Snyder (Sucker Punch).

Se os protagonistas do título não têm carisma, os vilões também não ajudam. Um deles até tem experiência no papel, Christoph Waltz, mas entrega uma atuação bem longe de “Bastardos Inglórios” e ainda mais caricata do que “Besouro Verde”. Já Orlando Bloom tem até algum carisma, mas também não ficou muito bem como vilão. Talvez o personagem mais legal seja a Milady de Milla Jovovich, a heroína do já citado “Resident Evil”.

No final das contas fica a sensação de que até poderia ter sido um filme legal e divertido, mas o resultado é bastante regular. Vamos ver como vai ser a resposta da bilheteria e se teremos uma nova franquia. Mesmo sem essa garantia o diretor já deu uma deixa bastante exagerada para uma continuação.
Postar um comentário