propaganda

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

360

Título Original: 360 (Reino Unido, Áustria, França, Brasil , 2012)
Com: Anthony Hopkins, Jude Law, Rachel Weisz, Ben Foster, Vladimir Vdovichenkov, Maria Flor, Lucia Siposová, Gabriela Marcinkova, Johannes Krisc, Dinara Drukarova, Jamel Debbouze e Juliano Cazarré
Direção: Fernando Meirelles
Roteiro: Peter Morgan
Duração: 110 minutos

Nota: 3 (bom)

A expectativa em relação ao filme “360” é muito alta e a cobrança também graças aos envolvidos na produção do mesmo. A direção é do brasileiro Fernando Meirelles (Cidade de Deus, O Jardineiro Fiel, Ensaio Sobre a Cegueira) e o roteiro é de Peter Morgan (A Rainha, Frost/Nixon), sem falar do elenco de várias nacionalidades que incluem nomes como Anthony Hopkins, Jude Law e Rachel Weisz, só para citar alguns.

O filme não é ruim, mas considerando os envolvidos poderia ter sido muito melhor. A trama envolve várias histórias que se cruzam. O tema principal é a traição. Tudo começa com uma jovem eslovaca que resolve virar garota de programa e seu primeiro trabalho seria com um empresário inglês (Jude Law). A partir daí iremos acompanhar vários personagens interligados a esse fato e todas as tramas envolvem a traição de alguma forma. Tentar contar mais sobre a trama pode estragar o filme.

Fazer filmes nesse estilo em que vários personagens se conectam de alguma forma na história é sempre uma tarefa complicada. É difícil conseguir dar conta de tanta gente. E é o que acaba acontecendo aqui. Muitas tramas acabam ficando simples demais, sem um devido aprofundamento e acabam deixando uma sensação de que poderia ter rendido mais. Mas mesmo assim elas funcionam apesar de algumas acabarem sendo simplificadas e servindo apenas para conectar a trama.

Se a história poderia ter sido mais aprofundada, com certeza não é por falta de talento do elenco. Ele é o grande destaque do filme. Alguns atores passam pouco tempo na tela e acabam servindo como figurantes de luxo como Jude Law e Rachel Weisz. Mas Anthony Hopkins por exemplo, mesmo com pouco tempo em tela é um dos destaques. 

Um dos melhores personagens com a trama mais tensa e interessante ficou com o ator Ben Foster (O Mensageiro), um rapaz que está saindo da prisão após cumprir pena por crime relacionado a sexo e que está na dúvida se vai conseguir resistir as “tentações”.

Meirelles consegue dar um bom ritmo as histórias, mas o roteiro de Morgan peca pela falta de um maior aprofundamento de alguns personagens. Além disso o filme peca um pouco por não tentar ousar e fugir do lugar comum tendo apenas um resultado satisfatório, mas que poderia ter sido muito mais interessante.
Postar um comentário